Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

Uma reunião do chefão do PL, Valdemar da Costa Neto, com marqueteiros do presidente Jair Bolsonaro e alguns membros da Executiva na sede do partido, há pouco mais de um mês, deixou a turma com a sensação de terra arrasada. Pesquisa nacional quantitativa e uma qualitativa feita em Brasília mostraram que Jair Bolsonaro não reverte os índices de diferentes institutos e não será reeleito. A exposição técnica se sobrepôs às doses de otimismo e cenários inventados pelos bolsonaristas. Fato constatado: De tanto falar banalidades e, a esmo, soltar frases de efeito para seu público cativo, Bolsonaro perdeu votos das mulheres, de jovens, dos homossexuais, de índios, de quilombolas e, principalmente (esse o peso eleitoral considerado maior), dos brasileiros que viram seus familiares morrerem na pandemia da Covid-19. Os dados foram levados ao chefe, que não se dá por convencido, e a resposta deixou os marqueteiros cientes de que falam às paredes: para ele, a culpa é da imprensa pelas más notícias.

Pesquisas nas mãos do PL dão como certa derrota de Bolsonaro na eleição deste ano. Mas o presidente culpa a imprensa, sempre, pelas más notícias

Aposta no adiamento

Istockphoto

O staff do presidente Bolsonaro o convenceu a largar de mão o PL de legalização dos jogos e empurrar para 2023. A eleição vem chegando e ele não quer se indispor com os evangelicos, base forte de seu eleitorado. Acha que é um desgaste grande a ser revertido poucas semanas antes do pleito – levando-se em conta a votação no Senado no 2º semestre.

Pré-campanha chegou à universidade

Os professores e alunos da Universidade Federal do Amapá foram surpreendidos no dia 10 de Junho com o edital da consulta prévia para escolha do reitor e vice-reitor, com o prazo exíguo de apenas uma semana para a campanha, debates e apresentação de propostas das chapas. Por regra, o edital deveria ter sido divulgado desde 22 de abril pela Comissão de Consulta Prévia, cinco meses antes da expiração dos atuais mandatos – que será dia 22 de setembro. E o prazo normal para campanha eleitoral é de um mês. Há suspeitas de ingerência política-ideológica da turma da direção contra docentes ligados a sindicatos e a partidos de esquerda.

Abadiânia sobrevive ao ocaso de João

Walterson Rosa

Dados da Junta Comercial e da Prefeitura de Abadiânia (GO), cidade às margens da BR-060 entre Brasília e Goiânia, revelam o quanto o município se mantinha sobre atividades do médium João de Deus, preso em 2019 e ainda respondendo a dezenas de processos por abuso de mulheres. Mais de 50 pousadas encerraram operações desde então. Os hóspedes eram, em sua maioria, brasileiros — e as poucas que ficaram sobrevivem de visitas de curiosos e de estrangeiros que ainda têm fé, não
no ex-líder, mas na Casa Dom Ignácio de Loyola, que seguidores apontam ser energizada. Abadiânia tem pouco mais de 5 mil habitantes.

Partido quer EAD para candidatos

Adriano Machado

Foi-se o tempo em que as ruas, o fervor de agremiações e os debates acalorados em diretórios forjavam líderes políticos. Em tempos de internet – e com uma ajudinha do Governo amigo, claro –, o Partido Republicanos quer formar candidatos em vídeo-aulas. Primeira legenda a fundar uma faculdade para esse fim (a instituição leva o nome do partido), o Republicanos acaba de pedir ao Ministério da Educação autorização para Ensino à Distância (EAD): Curso de Ciência Política. À frente da empreitada, o presidente Marcos Pereira, que tem acompanhado de perto a graduação de muitos deles.

Fogo contra o preferido de Onyx

O candidato da OAB para vaga de desembargador no TRF de Porto Alegre entrou na mira dos bolsonaristas. A turma descobriu que Marcelo Bertoluci, apadrinhado por Onyx Lorenzoni, já criticou a ditadura (tempos bons para Bolsonaro) e fez doação de campanha para o petista Henrique Fontana.

Derrapando na pista

O falastrão deputado Luís Miranda (UB-SP) mudou seu título eleitoral do DF para São Paulo e começou a mapear os interesses de segmentos do eleitorado jovem. Apresentou um PL descabido, mas que anima a garotada no Estado líder da modaldiade: autoriza rebaixamento de veículos, desde que com peças originais e de comprovada eficiência.

A reza dribla a Lei

Ex-ministra da Mulher e Direitos Humanos, evangélica de andar com Bíblia, Damares Alves – que conta aos ventos que pode ser a vice de Bolsonaro – dribla a lei eleitoral com reza. Vai a cultos em templos de diferentes igrejas neopentecostais no DF – leva pré-candidatos a deputados. Na segunda-feira 27, pregará na praça do Guará.

Nos bastidores

Homem de fé e negócio
Uma cobertura em Copacabana, herança de Oscar Niemeyer deixada para a família, foi vendida por R$ 5 milhões para um pastor carioca. Homem tem fé: sequer visitou o imóvel.

Ex na trupe de Lula
Lula tem lista de primeira linha de ex-ministros confiáveis como coordenadores de campanha em Estados-chaves. Anderson Adauto, que comandou Transportes em seu Governo, lidera a trupe de Minas Gerais.

Ciro ajuda o Governo
O staff palaciano tem uma certeza sobre Ciro Gomes. O adversário do PDT, que desfila em terceiro lugar nas pesquisas, mais ajuda que atrapalha o presidente. O tom boquirroto contra Lula soa como música e votos no gabinete de Jair Bolsonaro.

Correção

A nota “Os voos de Kalil em MG” foi publicada com erros na última Coluna. O nome certo é Alexandre, e não Roberto Kalil. E ele se desincompatibilizou do cargo de prefeito de BH para a campanha.