Geral

Após pedido de SP, Saúde reforça orientação de reservar 50% das vacinas para 2ª dose

Crédito: AFP

Uma profissional de saúde segura uma dose da vacina CoronaVac em São Paulo, Brasil, em 18 de janeiro de 2021 (Crédito: AFP)


O Ministério da Saúde informou nesta quinta-feira (28) que reforça as orientações anteriores enviadas aos estados e municípios para que “cumpram diretrizes e o país tenha doses suficientes para imunizar com duas doses previstas” para a Covid-19. As informações são da Folha.

A manifestação da pasta vem após o governo de São Paulo manifestar o desejo de usar todas as vacinas disponíveis para a oferta de uma primeira dose do imunizante no estado.

Nesta semana, o epidemiologista Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contigência do Coronavírus, afirmou que o centro “discutiu recentemente a possibilidade técnica de adiar a segunda dose”.

“Hoje, a segunda dose está prevista para até 28 dias após a primeira dose. No entanto, do ponto de vista científico e biológico, é possível pensar que a segunda dose dada em uma data posterior a 28 dias seja até mais eficaz do que aos 28 dias”, disse Menezes.

Segundo o Ministério da Saúde, não há evidência científica de que a ampliação do intervalo entre as doses da vacina ofereça proteção necessária para a população.


+ MS: Homem que revelou amante pouco antes de ser intubado deixa UTI-covid
+ Ratinho critica Dudu Camargo: ‘Só o Silvio gosta dele’



Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Descoberta no deserto do Kalahari leva a revisão da origem humana
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS