Esportes

Após menor média de minutos na carreira, Ganso ganha chance por recuperação no Fluminense

Meia teve pior média de minutos da carreira na última temporada e pode fazer estreia neste ano no próximo domingo, pelo Carioca

Após menor média de minutos na carreira, Ganso ganha chance por recuperação no Fluminense

Discreto dentro e fora de campo. Assim foi o 2020 de Paulo Henrique Ganso em seu segundo ano com a camisa do Fluminense. Depois de ser titular na primeira temporada, o jogador se viu sem espaço e terá, neste Campeonato Carioca, a oportunidade de fazer valer o investimento com o longo contrato assinado, até dezembro de 2023. E o meia pode fazer a estreia em 2021 já neste domingo, contra a Portuguesa, pela segunda rodada do Campeonato Carioca, às 18h, no Maracanã.

> Fluminense é o grande há mais tempo sem conquistar o Carioca: relembre as campanhas dos últimos 20 anos

Ganso precisou passar por cirurgia de apendicite aguda no dia 9 de janeiro. Desde então, passou algumas semanas em casa e vem fazendo trabalho de recuperação física desde o dia 12 de fevereiro no CT Carlos Castilho. Ele ainda não jogou neste ano, mas na temporada foi relacionado para 40 dos 64 jogos da equipe, sendo titular em apenas quatro deles. Apesar de ser bastante acionado no banco de reservas, são poucos minutos em campo.

VEJA A TABELA DO CAMPEONATO CARIOCA


+ Após cobertura ser arrematada em leilão, Carlinhos Mendigo se recusa deixar propriedade
+ Mulher desaparecida é encontrada dentro de cobra píton
+ Furão é estrela de vídeo que recria cenas do filme Ratatouille



Para se ter ideia, o meia somou 1.116 minutos em 2020. Lucca, último reforço a ser contratado que estreou apenas no dia 31 de outubro, teve 977 minutos. Para Ganso foram duas assistências e um gol marcado. Em 2019, quando era titular, o jogador teve 47 partidas, duas como reserva, 4.094 minutos, cinco gols e uma assistência. A média de 34,9 minutos do jogador nesta temporada foi inferior até aos anos em que atuou em apenas 14 partidas em 2018/19 por Sevilla (ESP) e Amiens(FRA), quando era de 44,5 minutos.

Alguns fatores pesaram contra Ganso nesse processo de perda de espaço. No fim de 2019, ele sofreu uma lesão da coxa e, por isso, precisou passar por uma pré-temporada mais longa do que os demais companheiros, ficando fora das primeiras partidas da temporada. Além disso, outros problemas físicos, como dores no joelho, lombalgia, contusão na panturrilha e Covid-19 também contribuíram para o ano ruim.

Pensando em recuperar o jogador fisicamente para ter mais uma alternativa para a criação, o Fluminense colocou o meia à disposição para o grupo que joga esse início de Carioca, com o técnico Ailton Ferraz. Ele perdeu a estreia, contra o Resende, mas garante estar 100% e apto a atuar quando for requisitado. É provável que Ganso vá para o jogo deste domingo, contra a Portuguesa, no Maracanã, às 18h.

– O Ganso está treinando bem. Está disposto e com vontade de entrar nesse processo dos jogos. Sem dúvida, pelo craque que é, tem espaço e vai ajudar com a qualidade e experiência que tem – disse Ailton Ferraz.

ELOGIADO POR ROGER

Apesar de estar à disposição no Carioca, Ganso vem treinando com o elenco principal sob o comando de Roger Machado. O treinador, inclusive, elogiou o meia em entrevista coletiva de apresentação, há uma semana, e afirmou ter planos para que o jogador volte a desempenhar um bom futebol.

– Quando falei dos jogadores experientes, fiz questão de nominar o Paulo Henrique (Ganso) porque entendo que a principal base de avaliação de jogador de futebol é o talento para desempenhar dentro de campo. Tenho planificações táticas e posso usá-lo em uma ou outra posição. O Paulo sempre jogou no meio, atrás do centroavante, com o Diniz jogou mais baixo no campo para construir. Todo treinador deseja atletas para adaptar estruturas diferentes. O Nenê, por exemplo, joga em um 4-3-3 aberto pelo lado, ou atrás do centroavante como meia-atacante, pode jogar recuado em uma linha de três meias – disse Roger.

– Jogador que estiver a minha disposição vai ser avaliado no dia a dia, com relação a sua característica, e avaliado dentro de cada estrutura. A mistura dos mais experientes com jovens é muito importante. Essa juventude que vai nos dar suporte para os jogadores mais experientes oferecerem o que têm de melhor, e vice-versa. Isso o dia a dia vai nos mostrar. Quando chego em um ambiente novo, respeito a história de cada atleta, construída no clube ou trazida de outros lugares. Mas a partir daquele momento a história de cada atleta vai ser construída comigo. Evidente que desejo ter, e o talento do Paulo Henrique vai ser muito util – completou.

Veja também

+ Receita simples de bolo Red Velvet
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS