ISTOÉ 2016

Após ficar preso por 36 horas, homem que tentou apagar tocha é solto

O desempregado Daniel Ferreira, 35 anos, foi solto na manhã desta sexta-feira da cadeia pública em Cascavel, no Oeste do Paraná. Ele havia sido preso em flagrante na quarta-feira depois de tentar apagar a tocha olímpica com um extintor de incêndio.

O ato ocorreu durante a cerimônia de passagem do símbolo olímpico pela cidade e só não se consumou por causa da ação rápida da Força Nacional. Daniel foi acusado de dano ao patrimônio público e perturbação do sossego alheio. Na quinta, o juiz criminal Marcelo Carneval arquivou o flagrante feito pela Polícia Civil, afirmando que não houve crime.

Mesmo com o alvará de soltura expedido na quinta-feira à noite pela Justiça, Daniel só foi solto na manhã desta sexta depois de passar 36 horas na carceragem da 15ª Subdivisão Policial em Cascavel. Alguns familiares e amigos foram recebê-lo no pátio da delegacia.

Ao ser libertado, Daniel concedeu entrevista aos jornalistas de plantão. Ele disse que “não se arrepende” da atitude, a qual, segundo Daniel, era uma forma de protestar contra a crise econômica do País e o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.

“Se tivesse outra oportunidade eu faria tudo de novo, mas agora usaria um balde d’água”, revela. A prisão de Daniel mobilizou as redes sociais para pagar a fiança estipulada em R$ 1,5 mil. Porém, com a decisão da Justiça de arquivar a prisão flagrante não houve necessidade de efetuar o pagamento.

A mobilização começou pelo Facebook e depois para um grupo no Whatsapp chamado “Em prol do corajoso”. Os administradores do grupo informaram que o dinheiro arrecadado será doado para famílias carentes e outra parte para Daniel, que está sem emprego formal. A corrente arrecadou cerca de R$ 500,00.