Geral

Aos 46 anos, mulher descobre que ‘pai’ a sequestrou ainda bebê

Crédito: Reprodução/ Facebook

A cuidadora Simone Aparecida Lopes Garcia descobriu que foi criada como filha pelo próprio sequestrado (Crédito: Reprodução/ Facebook)

No dia 7 de abril de 1975, a lavradora Neide Aparecida Pereira, de 22 anos, saiu de casa para buscar lenha e, quando voltou, sua filha de dois anos havia desaparecido. Na queixa registrada na delegacia de polícia de Tanabi, interior de São Paulo, onde ela morava, Neide apontou como suspeito de ter sequestrado a menina um parente de seu marido, Pedro Antônio Garcia, na época com 34 anos. O caso foi arquivado sem que a criança e o suspeito fossem encontrados.

Após 44 anos, em agosto último, a cuidadora Simone Aparecida Lopes Garcia, de 46 anos, moradora de Cariacica, na Grande Vitória (ES), descobriu que era ela a menina sequestrada e que fora criada como filha pelo próprio sequestrador. O homem que chamava de pai a separou também de duas irmãs mais velhas que ficaram com sua verdadeira mãe. “Vivi, até agora, uma vida de mentira, uma vida que não era minha. Quero encontrar minha mãe e minhas irmãs para reescrever minha história”, disse, ao jornal O Estado de S. Paulo, por telefone, nesta quarta-feira, 6.

Simone conta que desde pequena seu “pai” dizia que a mãe dela, Iraildes da Cunha Lopes, era alcoólatra e havia morrido. Ela, no entanto, nunca tinha visto o atestado de óbito ou qualquer documento a respeito. “Quando eu queria saber mais, ele ficava bravo e, como era um homem violento, eu deixava para lá. Em maio de 2006, ele sofreu um derrame e ficou muito ruim. Fui a última pessoa a falar com ele, antes de morrer, e pedi que falasse se minha mãe estava viva. Ele negou. Preferiu que esse segredo terrível morresse com ele.”

A cuidadora conta que, após a morte do pai, aumentou o desejo de saber mais sobre a mãe. “Eu já tinha meus cinco filhos todos criados, o caçula tem hoje 24 anos, e eles também perguntavam da avó. Decidi então pesquisar sobre ela.” Em busca de informações sobre a mulher que acreditava ser sua mãe, Simone acabou chegando à verdadeira história do homem que se passou por seu pai. “Descobri que Iraildes tinha morrido em 1974, mas também que ela não era minha mãe. Foi quando soube que tinha um processo envolvendo quem se dizia meu pai na delegacia de Tanabi. Quando vi o que era, caiu meu mundo. Fiquei em choque, pois logo entendi que eu era a menina sequestrada e estava lá o nome dele como meu sequestrador.”

Lendo o processo, Simone soube que sua mãe verdadeira, Neide Pereira dos Santos, procurou por ela durante dois anos. “Foi uma busca difícil, pois ela morava na zona rural, era muito pobre. Mesmo assim, ela procurou em casa de familiares dele por toda a região. A família Garcia era bem sucedida, tinha até parente delegado. O processo foi arquivado sem muita investigação.” De acordo com a cuidadora, sua mãe havia sido abandonada pelo seu pai biológico e Pedro, que era casado com uma prima dele e tinha ficado viúvo, pediu abrigo na casa de Neide.

O homem mudou-se para lá com o adolescente Marcos Antonio Garcia, de 14 anos, que ele “pegara para criar” aos 7 anos. Após o sequestro, Pedro a levou para o Paraná e, depois, para o Espírito Santo, sem despertar suspeitas. “Ele dizia que eu era filha dele, que a mãe havia morrido, e mostrava uma foto da Iraildes, além de uma foto minha, criança, no colo dele.”

A própria Simone reconhece que sua vida parece um filme, “um drama daqueles de chorar”. Ela conta que, desde os quatro anos, foi abusada sexualmente por Marcos, que considerava meio irmão. “Isso (abuso) foi até quando eu tinha 9 anos e ele 21. Gostaria que ele fosse encontrado agora e fosse responsabilizado pelo que fez.” Para fugir dos abusos do rapaz e das agressões que sofria de Pedro, ela foi morar com a mãe dele, Jesuína, que considerava sua avó, mas Pedro entrou na Justiça para obter sua guarda de volta. Foi quando a registrou como “filha”.

Simone, que trabalha como cuidadora de deficientes mentais em uma clínica, diz que vive, agora, por dois objetivos. O primeiro é recuperar a identidade que lhe foi roubada. “Vou trocar toda a documentação em que estou registrada como Simone Aparecida Lopes Garcia, para meu nome verdadeiro: Simone Aparecida Pereira dos Santos.” O outro, é encontrar sua verdadeira família. “Neide, minha mãe, está hoje com 66 anos, se estiver viva. Também espero encontrar minhas irmãs.”

Ela está recebendo ajuda de uma organização especializada em buscas de pessoas desaparecidas. “Meus filhos estão me apoiando em tudo. Dois deles, a Camila e o Gabriel, moram comigo. Eles também estão na maior expectativa. Quando o telefone toca, eu tremo, de tanta ansiedade.” A filha Gabriela conta que a mãe recebe também apoio psicológico. “Foi muito horrível tudo isso que ela passou. Vamos fazer de tudo para que ela encontre a nossa avó verdadeira e também outros familiares”, disse.