Esportes

Aos 13 anos, promessa do Jiu-Jitsu comemora patrocínio da Loja da Maria e projeta futuro

Multicampeã no Jiu-Jitsu com apenas 13 anos, a jovem Rafaela do Nascimento é a nova patrocinada da Loja da Maria e falou ainda sobre a importância do incentivo ao esporte

Aos 13 anos, promessa do Jiu-Jitsu comemora patrocínio da Loja da Maria e projeta futuro

Aos 13 anos, Rafaela do Nascimento, a “Rafinha”, já ostenta um currículo de dar inveja em diversos atletas profissionais de Jiu-Jitsu. Bicampeã paulista, tricampeã brasileira, tricampeã sulamericana e bicampeã mundial pelas principais entidades do esporte, além de medalha de prata no Pan Kids da IBJJF em 2020, a jovem ganhou recentemente o patrocínio da Loja da Maria.


– Foi um momento surreal porque todo atleta sonha com patrocínio, então receber a notícia de que eu iria representar a Loja da Maria no início deste ano me trouxe diversos sentimentos (risos). Estou muito feliz e, além disso, acredito que eu e a Loja da Maria temos tudo a ver – afirmou Rafinha, que começou no Judô aos 4 anos, no Jiu-Jitsu aos 8 e atualmente treina ambos.

Referência em produtos de EVA, como tatames, placas e tapetes, a Loja da Maria foi criada em 2013, na cidade de São Paulo, e ao longo dos anos vem desenvolvendo uma relação cada vez mais forte com as artes marciais, em especial com as categorias de base.

– Viver do esporte no Brasil hoje não é algo fácil e vejo o quanto que os meus pais se desdobram para me ajudar. Por isso quando chega uma empresa como a Loja da Maria, que apoia a base, nosso sonho se torna algo mais palpável – disse a faixa-amarela.

Recuperada de uma lesão que a afastou dos tatames por cinco meses, Rafinha ainda confirmou presença nas duas primeiras etapas da CBJJE (Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu Esportivo) em 2022 e garantiu que seguirá em busca dos seus sonhos neste ano.

– Venho de uma lesão bem grave, onde a princípio os médicos acharam que eu tinha rompido todos os ligamentos do joelho e o tempo de recuperação seria bem longo. Mas graças a Deus isso não aconteceu e foram cinco meses de recuperação, de muita dedicação. Coloquei na cabeça que a lesão não ia atrapalhar o meu sonho e tive bastante apoio da minha família, dos amigos, e no fim do ano passado consegui retornar às competições – encerrou.