Geral

Ao falar de tratativas com Pfizer, Bolsonaro defende responsabilidade em compra de vacina

Ao falar de tratativas com Pfizer, Bolsonaro defende responsabilidade em compra de vacina

Presidente Jair Bolsonaro


BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro defendeu nesta sexta-feira que é preciso ter responsabilidade com a eventual compra de uma vacina “ainda desconhecida” ao falar com apoiadores sobre as negociações para a compra do imunizante contra Covid-19 da Pfizer um dia após o depoimento do ex-presidente da companhia no Brasil Carlos Murillo à CPI da Covid.

“Tem que ter responsabilidade com uma vacina ainda desconhecida. Tinha ainda governador e prefeito que achava que tinha que ser obrigatória”, disse ele, em gravação pelas redes sociais.

Apesar de Bolsonaro defender cautela na compra da Pfizer, o governo brasileiro firmou no ano passado contrato para a compra de vacinas da Oxford-AstraZeneca, ainda em desenvolvimento, muito antes de o imunizante ter autorização para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Em seu depoimento á CPI, Murillo disse que a primeira oferta de vacinas ao Brasil ocorreu em agosto do ano passado, mas o país só acertou a compra do primeiro contrato, de 100 milhões de doses do imunizante da Pfizer, em março deste ano. Nesta sexta-feira, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou a assinatura de um novo contrato, para outras 100 milhões de doses.

GARIMPO

A apoiadores, Bolsonaro disse que não considera ser justo criminalizar garimpeiros no Brasil.

“Não é porque meu pai garimpou por um tempo, estou defendendo a memória dele, não tem nada a ver. No Brasil é muito bacana o pessoal de paletó e gravata dar palpite em tudo o que acontece no campo”, afirmou.

+ Sabrina Sato aparece com micro biquíni e surpreende seguidores

+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça

O presidente também fez críticas aos europeus pelo que esperam dos indígenas em seu governo.

“A gente quer deixar eles plantarem à vontade. Sabia que o índio é discriminado, né? Eles estão plantando e a Europa não aceita o produto deles porque interessa ficar como qualquer coisa, menos um ser humano”, disse.

(Reportagem de Ricardo Brito)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH4D1DI-BASEIMAGE

Veja também
+ Mãe de Eliza Samudio diz que Bruno não paga pensão e que filho do goleiro se sente culpado pelo crime
+ Atriz pornô é encontrada morta nos EUA
+ Influenciadora mexicana é assassinada em encontro falso
+ Baleia 'engole' pescador nos EUA e depois o cospe vivo
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Faustão é internado em hospital de SP
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS