Anvisa. Garota de Programa.

Crédito: José Manuel Diogo

(Crédito: José Manuel Diogo)


A vacina é uma arma. Tá anvisado! Ninguém espere que o ser humano, seja humano, aja humano ou sequer pareça humano nesta crise mundial.

Ninguém pense que a solidariedade de homens bons supere a vilania de políticos maus; ou que a amizade suplante o amor sujo pelo dinheiro. No final de contas ganha sempre a cupidez.

A luta pela vida é grande, mas afinal a luta pelo dinheiro é que é a santa. A primeira é apenas luta pela sobrevivência, mas a segunda luta é mesmo pela liberdade. Rasguem-se tratados, incumpram-se contratos, contornem-se acordos. A vacina será apenas de quem pagar mais nesta licitação internacional.

Consulto o “pensador” tentando escavar uma boa citação sobre o papel do ser humano nesta novel guerra mundial que usa seringa como míssil, insumo como morteiro e a Dona Anvisa como garota de programa — logo encontro a frase certeira.

É do Nelson Rodrigues: “É sempre a falta de caráter que decide uma partida. Não se faz literatura, política e futebol com bons sentimentos”. Exatamente o que está acontecendo nesta partida em que a humanidade joga seu futuro — sobram bons sentimentos, mas o caráter falta em toda a parte.


+ Pastor é processado por orar pela morte de Paulo Gustavo
+ Vídeo: Aluno é flagrado fazendo sexo durante aula da UFSC
+ Ao preço de US$ 1.600 por kg, carne Ozaki é a mais cara do mundo



Nada importa, só o lucro, neste choque de titãs. Nada muda, os senhores da guerra são os suspeitos do costume, desta vez travestidos de empresa farmacêutica.  Para eles a única coisa que conta é o brilho do ouro.

Dá pena ver o Brasil xingando a China para depois logo se ajoelha, mas choca ainda mais ver os países da Europa — tão mais velhos e fracos do que eu podia imaginar — ficar reféns das empresas que fabricam as vacinas em seu próprio solo e depois as vendem para quem pagar mais.

O noticiário sobre a vacinação mundial — online e em tempo real — é a melhor campanha publicitária que essas novas senhoras da guerra podiam desejar, e é completamente gratuita. O sonho de glória de qualquer marqueteiro! Todos os meios possíveis contando a mesma história, ao mesmo tempo, para todo o mundo. “Comprem vacinas. A gente tem”.

No meio desta galáctica campanha, a Anvisa altera as regras e concede autorização de uso emergencial a todas(?) as vacinas. Aquilo que parece segunda edição da novela “Cloroquina cura” não é mais que uma sequela com audiência global.

Já não é preciso testar as vacinas em brasileiro antes de vacinar todos.  Deixou de ser necessário que o imunizante tenha passado ou esteja passando por testes de fase 3 no Brasil. Sputnik V e Covaxin, produzidas na Rússia e na Índia, entram direto para o mercado.

Neste ponto o doutor Ministério anuncia a compra de 30 milhões de doses de ambas as vacinas. Dona Anvisa ainda resiste, mas logo vira garota de programa.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Gabriel Medina torna-se alvo de sites de fofoca
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.