Eleições 2020

Alta rejeição popular

A cidade maravilhosa é o maior destino turístico internacional do Brasil, mas nos últimos tempos não tem recebido os cuidados adequados dos administradores públicos. A cidade amarga a fama de insegura, seja pela atuação de traficantes ou dos milicianos. Urbanisticamente, as favelas criam um distanciamento socioeconômico dos mais graves do País: 22% moram em habitações precárias. Saúde, educação e desemprego também são desafios para os candidatos a prefeito da cidade hoje administrada por Marcelo Crivella. O bispo tenta se equilibrar entre o seu eleitorado e o bolsonarismo para a reeleição, mas quem lidera a disputa é o ex-prefeito Eduardo Paes.

Crédito: Marcos de Paula

São dez os principais candidatos a prefeito da cidade do Rio de Janeiro, mas conforme pesquisa do Instituto Ver, realizada em junho, a segunda maior cidade do País já tem um favorito: o ex-prefeito, por dois mandatos, Eduardo Paes (DEM) com 31,3%.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

DÍVIDAS A sede da Prefeitura do Rio, no bairro Cidade Nova, guarda um déficit anual de R$ 4 bilhões (Crédito:Prefeitura do Rio)

Em seguida aparece o atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) com apenas 10,8% e com reduzidas chances de reeleição. A esquerda segue dividida com quatro candidatos: a deputada estadual Martha Rocha (PDT) com 6,8%, o deputado Alessandro Molon (PSB) com 2,9% e a deputada Benedita da Silva (PT) com 2,1%, além do PSOL. Essa é a primeira pesquisa depois da desistência do deputado Marcelo Freixo (PSOL), que disputou o segundo turno com Crivella na última eleição. Na pesquisa aparece o ex-deputado Chico Alencar (4,5%), mas ele também não quer disputar e no seu lugar surge a deputada estadual Renata Souza. Aparecem na centro-direita o deputado Otoni de Paula (PSC) com 1,1%, o empresário Paulo Marinho (PSDB) com 0,7% e o deputado Hugo Leal (PSD) com 0,1%. À direita, aparece o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL) com 0,3%.

O prefeito passou grande parte do mandato fugindo da instalação de um processo de impeachment e tem elevada taxa de rejeição. Bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, Crivella conta com o voto evangélico e o apoio do bolsonarismo. O presidente não deve participar diretamente das campanhas municipais para evitar brigas no Centrão. No entanto, seus filhos, o senador Flávio e o vereador Carlos, filiados ao mesmo partido de Crivella, devem integrar a campanha de reeleição. A aposta é que a disputa comece com o debate nacional, mas as questões locais devem ganhar ênfase. “Paes já foi prefeito por dois mandatos e conhece os problemas da cidade. Ele deve priorizar questões locais. Já Crivella, que no final de 2019 estava muito desgastado na saúde, conseguiu se recuperar um pouco durante a pandemia, que é uma janela de oportunidade para tentar mostrar serviço”, avalia o cientista político Ricardo Ismael, da PUC-Rio. O prefeito, contudo, tem afirmado que as dificuldades de sua administração têm relação com a herança deixada por Paes. “Recebemos a administração da cidade com uma pesada herança do chamado ‘sonho olímpico’, que se transformou em pesadelo representado por bilhões de reais de empréstimos a pagar”, afirma Crivella.

“A nossa principal bandeira é trabalho, trabalho e trabalho. Precisamos acolher essa massa de desempregados que o Rio de Janeiro produziu com a pandemia”. Paulo Marinho, empresário e suplente do Senado (Crédito: Ricardo Borges)

O mais experiente no pleito é Paes, que aponta a falta de entrosamento do município com o Estado e com o governo federal na pandemia da Covid-19. “Minha prioridade é saúde, saúde, saúde, depois o emprego, que é muito importante”, disse. Segundo o ex-prefeito, existe uma incapacidade entre os governantes de trabalhar em conjunto. “É uma vergonha. O Rio tem mais de 1.400 leitos ociosos. Não precisava ter colocado hospital de campanha nenhum, que são caríssimos”, afirmou. Crítico de Crivella, Paes disse ter dificuldade para apontar uma área da atual administração que funcione bem. “Crivella é um incompetente, faz um governo trágico para a cidade”, disse Paes.
O ex-prefeito tenta articular uma aliança com o PSDB e o Cidadania.

Os tucanos podem até compor a chapa já no primeiro turno. “Pode ser necessário para que não se cometam os erros de 2016, quando três candidaturas disputaram o mesmo eleitorado e não tiveram capacidade de articular uma chapa”, justificou Paulo Marinho, candidato do PSDB à prefeitura carioca. Suplente de Flávio Bolsonaro no Senado, Marinho foi do núcleo da campanha do presidente Jair Bolsonaro. Ganhou evidência ao denunciar a proteção da PF a Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio, no esquema de rachadinhas do gabinete na Assembleia Legislativa do Rio. A prioridade do tucano será a recuperação do emprego.

O voto para prefeito será embalado pela esperança de dias melhores para a combalida cidade maravilhosa. Com uma população estimada em 6,71 milhões, o município vive uma crise fiscal sem precedentes, sofre com desemprego elevado, desigualdades imensas, falta de investimento em transporte e em infraestrutura. Antes da pandemia, o Rio já estava em uma crise econômica grave. Em 2019, fechou o ano com déficit orçamentário de R$ 1,2 bilhão. Considerando os restos a pagar, terminou o ano com R$ 4 bilhões no vermelho. Para 2020, a previsão de déficit no orçamento é de mais R$ 2 bilhões. A prefeitura anunciou, em maio, medidas de corte de gastos de R$ 250 milhões com a redução de salários do primeiro escalão do Executivo e de 25% no valor dos contratos pagos aos prestadores de serviços. A estimativa é de queda na arrecadação em R$ 1,1 bilhão em 2020, principalmente de ISS. O desemprego na cidade estava em patamar alto antes da pandemia, atingindo 13% no primeiro trimestre.

Na saúde, o Rio tem mostrado dados preocupantes relacionados à Covid-19. A taxa de letalidade tem se mantido como a maior entre as capitais brasileiras, de 12% sobre os casos confirmados da doença. Essa taxa é uma das maiores do mundo (nos EUA, a letalidade é de 4,8%). Nas favelas, as taxas são mais elevadas. Até 10 de agosto, foram contabilizadas 8.622 mortes no município. Na avaliação da médica Ligia Bahia, do setor de saúde pública da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o principal desafio é enfrentar a má gestão da área. “Falta a coordenação dos recursos assistenciais dos governos federal, estadual e municipal”, afirmou. As deficiências se estendem para as unidades ambulatoriais, de atenção básica, de exames especializados e do Samu. Filas para cirurgias ortopédicas e de catarata são constantes. Na crise do setor no ano passado, houve greve dos funcionários terceirizados por atraso de quatro meses nos salários. Além de demitir os terceirizados, o município fechou postos de atenção básica.

A fila para creches chegou a 36.424 crianças em junho de 2019. Ao longo do ano, apenas 8 mil vagas foram abertas. No ensino fundamental, houve a interrupção do monitoramento da aprendizagem da alfabetização. “Não sabemos se as crianças estão seguindo em frente alfabetizadas ou não”, disse Cláudia Costin, especialista em educação da Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Rio, que foi secretária da pasta entre 2009 e 2014. O programa “Escolas do Amanhã”, implantado para evitar o abandono escolar em áreas conflagradas, foi enfraquecido. “Uma escola que está em uma área controlada pelo tráfico ou pela milícia tem condições de ensino muito desafiadoras. Deveria tentar atrair os melhores professores para essas áreas e fazer ação afirmativa”, afirmou Cláudia. Também não foi cumprido o programa de estender a todas as escolas da rede municipal as aulas em tempo integral no prazo de dez anos, conforme lei aprovada na Câmara de Vereadores.

Habitação

Outro desafio a ser enfrentado pelo futuro prefeito é o déficit habitacional. Desde o início da gestão Crivella, cerca de 10 mil unidades habitacionais foram entregues. Mas de acordo com a Fundação João Pinheiro, com base nos dados da Pnad de 2015, o déficit é de 340 mil residências. A capital fluminense tem 22% de sua população vivendo em favelas, segundo o último Censo, de 2010. “A construção de moradias populares nas áreas extremas da cidade – Santa Cruz, Sepetiba e Guaratiba – aumenta o custo urbano devido à necessidade de investimento em infraestrutura. Por isso, tem mais sentido construir nas áreas mais centrais – como Leopoldina e zona suburbana-, onde a infraestrutura já existe”, avaliou o fundador do Observatório de Favelas e diretor do Instituto Maria e João Aleixo, o geógrafo Jaílson de Souza e Silva. Quem vive nas favelas tem pouco acesso a serviços de água e esgoto, luz e coleta de lixo, além de uma menor oferta de serviços de saúde e de educação. Um exemplo é o Complexo do Alemão, onde há 100 mil pessoas. O conjunto de favelas, um dos maiores do Rio, já passou por programas de urbanização de diferentes esferas de governo. No entanto, a falta de redes de esgoto e de água persiste.

INEXPERIENTE O prefeito Marcelo Crivella provavelmente nunca foi à praia. Seu mais novo projeto propõe criar quadrados na areia de Copacabana com lugares reservados por aplicativo. Cada espaço delimitado comportaria quatro pessoas da mesma família. Ainda haverá a opção por ordem de chegada. É tudo muito confuso e com pouca chance de dar certo. (Crédito:árcio Teixeira)

Um problema que, infelizmente, deixou a cidade maravilhosa marcada internacionalmente é o da falta de segurança. A existência de milícias organizadas e o tráfico de drogas continuam sendo alarmante no cotidiano do carioca. Mesmo sabendo que esse é um problema que precisa da ajuda dos governos estadual e federal, não há por parte do governo municipal uma política que enfrente esse problema de frente. É comum, inclusive, que existam denúncias de candidatos associados aos traficantes e às milícias em especial. A violência policial frequente nessas localidades está associada a uma política de Segurança Pública que também ignora os direitos.

Na área de transportes, após as obras da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016, o investimento em infraestrutura praticamente acabou. O atual prefeito apenas continuou a obra do corredor do BRT TransBrasil, de acesso ao Centro pela Avenida Brasil.

A obra tem conclusão prevista para o fim deste ano. A cidade carece de integração entre os modais, de transparência na bilhetagem dos passageiros e de manutenção dos transportes públicos. “O mais importante é ter um gerenciamento de todo o sistema de transporte concentrado em uma administração de todos os modos. Hoje, não há diálogo entre os grupos de cada modal”, disse o pesquisador da Coppe/UFRJ Ronaldo Balassiano. Será preciso aumentar a extensão e a integração das ciclovias com os demais modais. As calçadas, hoje sem nenhuma conservação, terão que estar em boas condições, pois as pessoas devem fazer mais trajetos a pé. Outra solução no pós-pandemia é ofertar serviços em terminais de integração para evitar trajetos longos de moradores de áreas mais afastadas do Centro, como a Zona Oeste.

O início dos debates sobre as necessidades da cidade mostram o quanto ela é precária. A população espevara mais do atual gestor. Crivella não parece ter fôlego para se reeleger, mas o jogo está apenas começando.

Veja também

+Cidadania divulga calendário de pagamentos da extensão do auxílio emergencial

+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea