Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

No Brasil, os índices de depressão são preocupantes: segundo a Organização Mundial da Saúde, somos o segundo maior país do continente americano em número de pessoas depressivas, com 5,8% da população acometida pela doença. 

+ 7 superalimentos que você deve incluir na sua dieta após os 30 anos 

+ Métodos contraceptivos podem ter a depressão como efeito colateral? 

O que muitos não sabem é que a alimentação pode estar relacionada ao estado depressivo. Segundo nutricionistas, a falta de nutrientes pode causar depressão e tristeza. Ainda existem problemas como saúde, situação familiar e condição financeira que agravam o estado. As informações são do “Times of India”.

Má alimentação e depressão pós-covid

O nutricionista indiano N. Malleshwari comenta: “Escolhas inadequadas de alimentos podem contribuir para a deficiência de nutrientes, o que pode realmente resultar em depressão. Mas alguns aminoácidos como triptofano, tirosina, metionina e fenilalanina são úteis no tratamento de distúrbios”. E existe um agravante que preocupa ainda mais: segundo a revista britânica de medicina “Lancet”, cada vez mais pessoas estão sofrendo problemas relacionados à depressão devido aos efeitos colaterais da pandemia de Covid-19.

No entanto, nutricionistas defendem que a alimentação correta pode ajudar a superar a depressão. 

Mudanças no estilo de vida

“Além de procurar ajuda psiquiátrica e psicológica, o melhor meio de combater a depressão é trazendo mudanças no estilo de vida e começando a consumir uma dieta saudável”, diz Malleshwari. “O ômega 3 provoca efeitos antidepressivos e é muito importante que seja incluído na dieta”, aconselha. 

Pessoas com sobrepeso ou obesidade estão mais propensas a sofrer de depressão porque o excesso de massa corporal afeta o sistema imunológico e traz mudanças hormonais em homens e mulheres. 

Arun Kamar, nutricionista-chefe do Hospital SLG, na Índia, constata: “O corpo humano produz moléculas chamadas radicais livres, que podem causar danos às células, resultando em envelhecimento rápido e outros problemas”. E completa explicando a importância de uma boa alimentação: “O consumo de alimentos ricos em antioxidantes e frutas e vegetais ricos em vitaminas diminuirá os efeitos destrutivos dos radicais livres. Alimentos como cenoura, abóbora, espinafre, laranja, tomate, nozes e sementes serão de grande ajuda”, finaliza.

O consumo de pequenas porções de proteína várias vezes ao dia melhora a energia do corpo e da mente. Atum, peru e frango têm aminoácidos que ajudam o corpo humano a manter-se alerta. Feijão, ervilha, leite, soja e iogurte também são boas fontes de proteínas saudáveis. Além disso, pessoas que sofrem de depressão devem evitar o consumo de álcool, não fumar e até mesmo reduzir a ingestão de cafeína. A razão deste alerta é que muitas pessoas deprimidas também têm problemas com álcool ou drogas, que podem interferir no humor, no sono e na motivação, além de reduzir a eficácia dos medicamentos contra a depressão.