Economia

AliExpress investe para trazer dia dos solteiros ao país

Tradição nos EUA e presente no Brasil desde 2010, a Black Friday levou menos de uma década para se consolidar no calendário do varejo brasileiro. Agora, a gigante chinesa AliExpress promete investir pesado para cimentar outra data nacional de consumo: o Dia dos Solteiros. Celebrado em 11 de novembro (o dia que tem mais algarismos “1” em todo o ano), a data movimentou globalmente US$ 30,8 bilhões em 2018 e virou a principal oportunidade de vendas do comércio chinês.

Para chamar a atenção dos brasileiros, a empresa começa nesta terça-feira, 5, uma agressiva campanha de marketing – haverá anúncios na TV Globo e peças publicitárias espalhadas pela cidade de São Paulo. Além disso, alistou um time de influenciadores digitais brasileiros, que juntos somam 150 milhões de seguidores – juntos, eles vão distribuir cupons de desconto e promover a marca da empresa. Outra iniciativa da companhia é sortear dois automóveis, dez unidades de iPhone 11 e dez pacotes de viagem a Trancoso (BA), com direito a acompanhante.

“É a primeira campanha de Dia dos Solteiros no Brasil. Esperamos que ele se torne tão popular quanto a Black Friday”, disse ao jornal O Estado de S.Paulo Ken Huang, líder para América Latina da AliExpress. O executivo não revela quanto espera faturar no País, mas lembra que o Brasil está entre os cinco principais mercados do site. A companhia também promete distribuir em suas redes sociais cupons de desconto que serão aplicados em itens com preços já reduzidos.

Origem

Na China, o Dia dos Solteiros é realizado desde 2009. A ideia era simples: em vez de esperar uma data especial para ganhar um presente, todo mundo poderia comprar para si seus próprios itens de desejo. Naquele ano, com foco apenas na China, a data gerou receita de US$ 7,8 milhões. Em 2019, já global, o Dia do Solteiro é aguardado com expectativa – neste ano, a cantora americana Taylor Swift vai comandar a contagem regressiva na véspera do evento.

A companhia deve gastar globalmente cerca de US$ 300 milhões em cupons de desconto que poderão ser aplicados em produtos com preços já reduzidos. As promoções, porém, dependem dos sites parceiros que usam o AliExpress para vender seus produtos. A empresa diz ainda trabalhar com inteligência artificial para saber destacar quais produtos têm descontos reais.

“Já estamos monitorando aquilo que os brasileiros estão colocando no ‘carrinho’ à espera dos descontos. Pulseiras conectadas e bonecas realistas que imitam bebês devem estar entre os produtos favoritos”, diz Huang. Eletrônicos, roupas e peças para carros e bicicletas também estão entre os itens mais desejados. Para dar conta da demanda, a empresa trabalha com tecnologia para otimizar rotas e tentar diminuir o tempo de entrega da China até aqui – hoje, o prazo é estimado em cerca de 30 dias.

Para Cristina Helena Mello, pesquisadora de consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo (ESPM), a data tem um apelo específico e contemporâneo. “Os solteiros são um grupo de indivíduo onde o estímulo de compra pode ser mais assertivo”, avalia.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.