POLÍTICA

Aliados de Temer dizem que Dilma tenta desequilibrar contas públicas com medidas

Apontado como futuro ministro do Planejamento de um eventual governo Michel Temer, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) criticou nesta segunda-feira, 2, as medidas anunciadas no domingo, 1º, pela presidente Dilma Rousseff. Na avaliação do parlamentar, o governo da petista tenta desequilibrar as contas públicas com as propostas apresentadas.

Ontem, no Dia do Trabalho, Dilma anunciou em São Paulo o reajuste médio de cerca de 9% do Bolsa Família e propôs reajuste de 5% da tabela do Imposto de Renda (IR) a partir de 2017. Anunciou ainda a proposta de contratação de ao menos 25 mil moradias do “Minha Casa Minha Vida Entidades”, com os movimentos do campo e das cidades.

“O governo perdeu o parâmetro de qualquer conta e está executando despesas numa tentativa de desequilíbrio do orçamento público”, afirmou Jucá ao chegar para reunião na residência oficial do vice. Além dele, participam do encontro outros possíveis ministeriáveis, como Henrique Meirelles (Fazenda), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), Moreira Franco (Infraestrutura) e Henrique Eduardo Alves (Turismo).

Questionado se encarava as medidas como uma “vingança” de Dilma, Jucá desconversou. Afirmou que qualquer eventual ação de vingança não seria feita contra políticos, mas teria efeito sobre a vida dos brasileiros. “Qualquer ação de vingança não está sendo feita em cima de políticos. O resultado negativo da economia impacta a vida da sociedade brasileira”, declarou o senador.

Jucá disse que a reunião desta segunda-feira será para avaliar como vai evoluir o quadro econômico brasileiro diante das medidas anunciadas por Dilma. Segundo ele, é preciso ver se o aumento de impostos proposto por Dilma terá efeito prático no aumento da arrecadação. Ele lembrou que, “às vezes”, acontece o contrário: aumento de impostos reduz a arrecadação.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Impossíveis

Apontado como futuro ministro-chefe da Casa Civil de Temer, Eliseu Padilha também criticou as medidas anunciadas por Dilma. Lembrando declaração do secretário do Tesouro Nacional, Otávio Ladeira, Padilha afirmou que as propostas são “absolutamente impossíveis” de serem executadas. Segundo ele, a reunião tratará das “primeiras ideias” do grupo econômico, que “alguém vai verbalizar” no futuro.

Na entrevista, Padilha afirmou ainda que Temer já tem “na cabeça” o nome predileto para o Ministério da Justiça, mas não revelou qual. Até a semana retrasada, a intenção de Temer era colocar na Pasta o advogado e amigo Antônio Carlos Mariz. Após entrevistas em que o advogado criticou a Operação Lava Jato, circularam informações de que o vice-presidente teria descartado o nome do jurista. No entanto, Temer chegou a divulgar uma nota dizendo que não houve convite e portanto seu nome não poderia ter sido ‘eliminado’.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel