Esportes

Alemanha quer que escândalo com Beckenbauer não abale candidatura para Euro-2024

Em meio às acusações de corrupção no processo para garantir a sede da Copa do Mundo de 2006, a Alemanha inicia a caminhada para receber mais uma importante competição de futebol. E os dirigentes do país estão fazendo de tudo para distanciar este escândalo da candidatura para a Eurocopa de 2024.

O presidente da Federação Alemã de Futebol (DFB), Reinhard Grindel, declarou nesta quarta-feira que a candidatura para sediar o torneio continental daqui a oito anos não tem nenhuma ligação com as acusações relativas a 2006. Ele lembrou que a direção da entidade está em outras mãos e que nem mesmo o ídolo local Franz Beckenbauer está envolvido no novo processo visando 2024.

“Nós temos nova liderança na DFB, então todas as federações nacionais confiam na gente”, declarou Grindel à agência The Associated Press. “Estas pessoas que estão no centro da investigação não tem influência na DFB agora, então não somos responsáveis pelo que aconteceu em 2006”, completou o presidente, que entrou na entidade em 2013, como tesoureiro.

Beckenbauer e três outros membros do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2006 estão sendo investigados pela Justiça suíça. Eles são suspeitos de envolvimento em um escândalo sob acusações de fraude, gestão criminosa, lavagem de dinheiro e sonegação, relativas a um pagamento de 6,7 milhões de euros à Fifa em 2005.

Beckenbauer chegou a admitir que quantias foram enviadas pela DFB à Fifa, mas garantiu que tratavam-se de pagamentos para que o país garantisse direito a um depósito para o início da organização do Mundial. Chefe daquela candidatura, ele também chegou a afirmar que não havia recebido dinheiro para realizar o trabalho, mas na última terça a própria federação alemã confirmou que o ex-jogador lucrou 5,5 milhões de euros durante o processo.

A investigação suíça e da Fifa tem sido realizada desde o ano passado, sem um final previsto. A DFB também chegou a abrir um inquérito para investigar as supostas irregularidades, na tentativa de evitar maiores punições caso algo fosse encontrado. Nele, foi revelado que pagamentos foram feitos a dirigentes da Fifa, apesar de nenhuma comprovação de que estas quantias tratavam-se de subornos para que a Alemanha fosse eleita a sede.

Grindel reiterou a posição da entidade de cooperar com as investigação e garantiu que o escândalo relativo ao Mundial de 2006 não tem qualquer relação com a atual tentativa de sediar a Eurocopa. “Não é um problema, porque nós dissemos que faríamos nossa candidatura de forma transparente”, explicou.

A votação para eleger a sede da Eurocopa de 2024 ainda não tem data para acontecer, mas a Alemanha promete entrar com força na disputa. “É nossa ambição sediar a Eurocopa porque nós sabemos que estamos bem preparados. Nós mostramos com a organização do torneio (Eurocopa) sub-19 (em julho) que podemos fazer isso, que temos uma grande experiência e, por isso, acho que nossa candidatura é uma boa candidatura”, afirmou Grindel.