Economia

Alemanha confirma recessão no primeiro trimestre

Alemanha confirma recessão no primeiro trimestre

Nadadores mantêm distância de dois metros na piscina ao ar livre de Wilmersdorf, em Berlim, em 25 de maio de 2020 - AFP

O Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha caiu 2,2% no primeiro trimestre de 2020, devido ao coronavírus, e levou sua economia à recessão, conforme dados divulgados nesta segunda-feira (25) pelo instituto Destatis.

Trata-se do “pior resultado” da economia alemã desde a crise econômica de 2008-2009, e o “segundo pior”, desde a reunificação em 1990, relata o Destatis.

A recessão técnica é definida como a queda do PIB por dois trimestres consecutivos. No quarto trimestre de 2019, o PIB da Alemanha já havia diminuído 0,1%.

As medidas de confinamento para conter a pandemia começaram em meados de março e tiveram um forte impacto na economia.

A queda do PIB no primeiro trimestre de 2020 é explicada pela queda no consumo das famílias, 3,2% em relação ao trimestre anterior, enquanto as despesas de consumo do Estado permaneceram estáveis em + 0,2%.

No que diz respeito aos investimentos, as despesas com bens de capital caíram 6,9% em um mês, em um contexto de crise industrial na Alemanha. Essa atividade foi significativamente desacelerada no país por causa da pandemia.

As exportações caíram 3,1% no trimestre, enquanto as importações registraram queda de 1,6%.

Apenas o setor de construção registrou um forte aumento nos investimentos, + 4,1% em um mês, o que impediu que a queda no PIB fosse maior.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Fotos íntimas de apresentadora italiana são vazadas em aplicativos de mensagens no Brasil
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Após se aposentar da Globo, Sérgio Chapelin aparece com novo visual; veja
+ Nick Cordero morre aos 41 anos, vítima de complicações da Covid-19
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior