Economia

Airbus concorda em rever contratos com França e Espanha para fechar debate na OMC

A Airbus fechou um acordo com os governos da França e da Espanha para alterar alguns contratos com o objetivo de encerrar uma disputa histórica em torno de subsídios para a fabricação de aviões na Organização Mundial do Comércio (OMC) e tentar persuadir os EUA a suspender tarifas impostas à União Europeia (UE).

“Após 16 anos de litígio na Organização Mundial do Comércio (OMC), esse é o passo final para interromper a disputa de longa data e remove qualquer justificativa para tarifas dos EUA”, disse a fabricante de aviões europeia em comunicado nesta sexta-feira, dia 24.

As partes envolvidas aceitaram alterar os chamados contratos RLI do programa A350, de forma a atender os parâmetros considerados apropriados pela OMC. “Com essa iniciativa final, a Airbus se considera em plena concordância com todas as decisões da OMC”, disse a empresa.

Essa decisão demonstra que a “Airbus não deixou pedra sobre pedra para encontrar um caminho no sentido de uma solução”, disse o executivo-chefe da empresa, Guillaume Faury. Fonte: Dow Jones Newswires.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Carla Perez fala sobre vida nos EUA: “Aqui é vida normal”
+ Denise Dias faz seguro do bumbum: “Meu patrimônio”
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel