Economia

AIE eleva projeção para demanda por petróleo pelo Brasil em 2021

Um mês depois de promover revisões para baixo nas expectativas de demanda e oferta de petróleo pelo Brasil deste e do próximo ano, a Agência Internacional de Energia (AIE) apresentou nesta quinta-feira, 13, uma mudança de tendência para o setor no País. Segundo a instituição que tem sede em Paris, a produção doméstica será maior nos dois anos, assim como o consumo em 2021.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

Apenas a projeção para o uso da commodity em 2020 ficou estável em relação ao relatório mensal de julho, em 2,82 milhões de barris por dia (bpd).

A marca, se for confirmada, representará uma queda acentuada em relação ao consumo de 2019, que foi de 3,04 milhões de bpd. Para 2021, a entidade conta com uma pequena aceleração da demanda, para 2,90 milhões de bpd.

No caso da produção doméstica, a AIE elevou suas previsões para este ano de 3,00 milhões de bpd para 3,05 milhões de bpd e a de 2021 de 3,23 milhões de bpd para 3,29 milhões de bpd. No ano passado, o suprimento nacional foi de 2,90 milhões de bpd.

Veja também

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea