Brasil

Agora é a turma do Carluxo

O Ministério Público do Rio de Janeiro investiga o vereador Carlos Bolsonaro por supostamente ter se apropriado de R$ 7 milhões com a nomeação de funcionários fantasmas. Um deles recebeu R$ 1,5 milhão para distribuir panfletos. O esquema é similar ao utilizado por Flávio Bolsonaro

Crédito: Magalhões Jr

SUSPEITO Carlos Bolsonaro é acusado de promover rachadinhas em seu gabinete de vereador no Rio (Crédito: Magalhões Jr)

Mais um escândalo de rachadinhas está sob a investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP/RJ). O acusado da vez é o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos). A prática é conhecida na família do presidente e o esquema movimentou, segundo a investigação, R$ 7 milhões. O crime atribuído ao vereador é o de peculato, quando um servidor se apropria indevidamente de recursos públicos em benefício próprio. Vereador desde 2001, Carluxo, como é conhecido, teria utilizado parte dos salários de seus assessores fantasmas para obter vantagens. A prática, conhecida como rachadinha, acontece quando o político retém uma parte ou todo o salário dos funcionários. Também é comum a contratação de parentes que não prestam qualquer tipo de serviço.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Edir Barbosa Goes, funcionário responsável por entregar panfletos no gabinete de Carlos Bolsonaro, por exemplo, recebia um salário de R$ 17 mil mensais e não soube explicar exatamente qual era a sua rotina, nem mostrou qualquer exemplar do material que dizia entregar. Mesmo que isso fosse verdade, o MP-RJ considerou estranho um salário tão alto para um funcionário entregar panfletos. A distorção é clara. Apenas Goes custou cerca de R$ 1,5 milhão aos cofres da Câmara Municipal carioca. Outro comissionado do gabinete do vereador, Guilherme Hudson, também não foi capaz de justificar um trabalho proporcional à sua função na Câmara. Hudson é chefe de gabinete de Carlos Bolsonaro. É o posto mais alto dentro da estrutura parlamentar da Casa. Ele é primo de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro. Ana também foi chefe de gabinete do ex-enteado e é investigada no processo, sob a acusação de ter sido funcionária fantasma de Carluxo. As apurações mostram que ela e os outros assessores sacavam entre 80% e 90% dos salários todos os meses, cujo destino está sendo investigado pelo MP. A suspeita é que esse montante seria devolvido ao vereador. Carlos manteve entre 2007 e 2009 um cofre no Banco do Brasil e não conseguiu demonstrar aos investigadores o que guardava no local. Ele nunca declarou o que constava nesse cofre. Os promotores suspeitam que era usado para guardar dinheiro vivo, joias e documentos.

Como se sabe, em torno da família Bolsonaro sempre houve negócios com dinheiro em espécie. A ex-mulher do presidente, Ana Cristina, inclusive, comprou 14 imóveis entre 1998 e 2008, enquanto estava casada com ele, parcialmente com dinheiro vivo. Na separação do casal, os imóveis estavam avaliados em R$ 3 milhões. Outra ex-mulher do presidente e mãe do Carluxo, Rogéria Nantes Bolsonaro, pagou em dinheiro vivo R$ 95 mil, em 1996, por um apartamento na zona norte do Rio de Janeiro. Na época, ela era casada com Bolsonaro. Hoje, o imóvel está avaliado em mais de R$ 600 mil. A atual mulher de presidente, Michele Bolsonaro, recebeu R$ 89 mil em depósitos feitos pelo ex-PM Fabrício Queiroz, antigo assessor de Flávio Bolsonaro. É um tema tão sensível que irrita o presidente ao ser questionado pelos jornalistas, como se viu recentemente.

Com a mesma estratégia das mulheres de Bolsonaro, outro irmão de Carlos, o senador Flávio (Republicanos), é alvo de investigações sobre rachadinhas e outros negócios enrolados. Além de uma loja de chocolates e de vários imóveis comprados com dinheiro vivo, o senador é investigado pelo fato de seu ex-assessor Fabrício Queiroz ter movimentado R$ 1,2 milhão e que ele seria destinatário de parte desses valores. O caso é similar ao que é apurado em relação ao irmão Carlos. Já outro irmão do vereador, o deputado federal Eduardo (PSL), é investigado por disseminar fake news por meio do perfil falso Bolsofeios. O deputado Julian Lemos (PSL-PB) denuncia que ele utilizou verbas do auxílio-moradia da Câmara dos Deputados para comprar um apartamento.

Relações perigosas

Amigos do presidente também são acusados de atividades ilícitas. O pastor Everaldo foi preso pela Polícia Federal, em 28 de agosto, sob a acusação de comandar um esquema de corrupção na administração do governador afastado Wilson Witzel. O pastor foi responsável pelo batismo do presidente Jair Bolsonaro no Rio Jordão, em Israel. Ele comandava negócios fraudulentos na Secretaria de Saúde. Amigos do clã Bolsonaro menos influentes na política também frequentam os noticiários da pior forma possível. Fabrício Queiroz ainda não explicou a razão dos depósitos para a primeira-dama. Ele é o principal envolvido nas rachadinhas que favoreceram Flávio. Há ainda outras ligações perigosas com o chefe de milícias Adriano Nóbrega e com os ex-policiais Ronnie Lessa e Élcio Vieira, apontados como participantes do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL). Adriano foi até condecorado por Flávio, a pedido de Bolsonaro, em 2005. Foragido, ele foi morto em ação policial em fevereiro. Ronnie Lessa é morador do mesmo condomínio de Bolsonaro. Ronnie e Élcio estão presos. Os negócios da família sempre foram suspeitos e a chegada ao poder apenas colocou luz em relações altamente nebulosas.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea