Agronegócio

Agência dos EUA aprova novos registros para defensivos à base de dicamba

São Paulo, 28 – A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA, na sigla em inglês) aprovou novos registros para os herbicidas à base de dicamba XtendiMax with VaporGrip Technology, da Bayer, e Engenia, da Basf. Os registros têm validade de cinco anos. A agência também estendeu até 2025 o registro do herbicida à base de dicamba Tavium Plus VaporGrip Technology, da Syngenta. Segundo a EPA, esses registros só valem para uso em lavouras de algodão e soja tolerantes ao dicamba.

“Com a decisão, agricultores agora têm a segurança de que precisam para planejar a safra de 2021”, disse em comunicado o administrador da EPA, Andrew Wheeler. “Após revisar uma quantidade substancial de novas informações, conduzir avaliações científicas baseadas na melhor ciência disponível, e considerar cuidadosamente a opinião das partes interessadas, chegamos a uma resolução que é boa para produtores e o meio ambiente.”

Em junho deste ano, um tribunal em São Francisco rejeitou a decisão da EPA de estender por mais dois anos, em outubro de 2018, o registro desses produtos. Quando a EPA prorrogou o registro, impôs restrições ao uso do dicamba para que sua aplicação não causasse danos em campos vizinhos. Em sua decisão, porém, o tribunal disse que a agência subestimou os riscos do herbicida, além de não reconhecer outros riscos. A decisão foi tomada após ação movida por um grupo de organizações ambientais. Apesar disso, a EPA autorizou o uso limitado de estoques de químicos existentes e já adquiridos.

Produtores que cultivam lavouras não tolerantes ao dicamba se queixam de deriva, ou seja, após a aplicação, o defensivo acabaria chegando a outros cultivos, prejudicando essas lavouras.

A decisão desta terça-feira inclui algumas medidas de controle para evitar a deriva. Por exemplo, antes de aplicar o herbicida, o agricultor terá de misturar ao produto um agente de redução de volatilidade (VAR, na sigla em inglês). Outra das medidas prevê que o dicamba não poderá ser aplicado em lavouras de soja após 30 de junho e em plantações de algodão após 30 de julho. Além disso, os rótulos dos produtos e as instruções de uso terão de ser simplificados para que produtores possam determinar com mais facilidade quando e como aplicar corretamente o herbicida.

A EPA disse que, antes de aprovar os registros, ouviu órgãos reguladores estaduais, grupos de produtores, acadêmicos, fabricantes de pesticidas, entre outros. A agência disse acreditar que as análises que foram conduzidas abordam os pontos levantados pelo tribunal de São Francisco em sua decisão de junho.

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel