Saúde da mulher

Afta não tem tratamento, mas recursos podem aliviar a dor

Crédito: Freepik

Quem já teve afta na boca sabe o quão dolorosas essas pequenas feridas podem ser. E além da dor, o que pode ser ainda mais desestimulante é saber que não existe cura — além do tempo — para a condição.

+ Lábios descamando: por que isso acontece e como evitar?

+ 5 sinais importantes que a língua indica sobre a saúde e você precisa saber reconhecer

Segundo o “UOL Viva Bem”, de onde são as informações, a origem das feridas é desconhecida. E apesar de não existir um tratamento para exterminá-las instantaneamente, recursos como enxaguatórios bucais, medicamentos e laser podem amenizar seus sintomas. 

Entenda a condição

Afta é o nome dado a uma doença que se manifesta na mucosa bucal. Ela causa uma inflamação que se rompe superficialmente e cria uma úlcera no local — geralmente na parte interna dos lábios e bochechas e na língua —, causando dores e incômodo. As feridas duram, em média, de uma a duas semanas, e se curam espontaneamente.

Suas causas são desconhecidas. No entanto, de acordo com Cristina Almeida, autora da matéria do UOL, “é possível que a afta decorra de um desequilíbrio do sistema de defesa do corpo, o que facilita o ataque à membrana da mucosa oral (epitélio)”. Ela pontua, ainda, possíveis fatores desencadeantes da condição:

• Hereditariedade;

• Ciclo menstrual;

• Traumas como uso de aparelhos, escovação de dente agressiva e mordeduras acidentais;

• Sensibilidade a alimentos ácidos;

• Deficiência nutricional de ferro, ácido fólico, vitaminas B6, B12, D e zinco;

• Alergias alimentares;

• Cremes dentais com LSS (Lauril Sulfato de Sódio);

• Tabaco (principalmente após parar de fumar);

• Exposição a toxinas (nitratos);

• Refluxo gastroesofágico;

• Uso de drogas;

• Estresse.

Sintomas de afta

O principal sintoma da doença é a dor intensa, que diminui após alguns dias. Antes da dor, no entanto, pode-se sentir sensibilidade, queimação e inchaço. Em casos mais graves, febre, inchaço dos gânglios linfáticos e mal-estar.

Quando ter atenção

À UOL, o clínico geral e professor de gastroenterologia do curso de medicina da Universidade de Pernambuco (UPE), Severino Barbosa dos Santos, pontua que, quando as aftas são muito recorrentes, grandes e demoram para cicatrizar, é necessário ter mais atenção, pois esses podem ser sinais de outras doenças. Ele ressalta que é necessário procurar ajuda profissional principalmente quando as feridas são acompanhadas por febre, fadiga, mal-estar, perda de apetite e úlceras em outras partes do corpo.

De acordo com a matéria, câncer, lupus e HIV são apenas algumas das condições que têm úlceras na cavidade oral como sintoma.  

Tratamento

Não existe tratamento específico para aftas comuns. Uma das opções indicadas por especialistas, entretanto, é a higiene local para evitar contaminação da lesão. Para o alívio da dor, compressas de gelo, chá e extrato de camomila e própolis diluído em água são apontados como boas opções. 

Sobre o uso do bicarbonato de sódio, comumente apontado como uma “solução”, o especialista Paulo José Bordini, mestre e doutor em estomatologia pela USP, desaprova: “Ele destrói as terminações nervosas, faz cessar a dor, mas transforma a afta em uma úlcera química. O resultado é mais tempo para cicatrizar e maior risco de infecção.”

Para os casos mais graves, medicamentos tópicos e orais à base de corticoides são prescritos por especialistas. Além disso, é necessário analisar as causas da afta, buscando possíveis doenças relacionadas. 

Existem, ainda, os procedimentos com laser de baixa potência, que “age como analgésico, anti-inflamatório e acelera a reparação dos tecidos”, segundo o portal.

Como prevenir aftas

As feridas nem sempre podem ser prevenidas, principalmente se estiverem ligadas a doenças ou deficiência de vitaminas. “Apesar disso, os especialistas sugerem ser vigilante para aprender a reconhecer quais são, para você, as situações que podem dar origem às aftas. Ao agir assim, é possível ter algum controle sobre o aparecimento delas”, pontua Cristina, que indica como possíveis métodos de prevenção:

• Visitas regulares ao dentista;

• Higiene bucal caprichada;

• Evitar alimentos ácidos;

• Pedir ao dentista melhor ajuste de dentaduras aparelhos fixos ou móveis e dentes que possam ferir a mucosa;

• Adotar medidas de controle do estresse e da ansiedade;

• Descansar quando se sentir cansada;

• Escolher cremes dentais que não contenham substâncias irritantes;

• Atenção à escovação, que deve ser suave para evitar ferimentos; 

• Melhor escolha de alimentos, caso você tenha alguma intolerância ou alergia;

• Evitar ingerir itens muito quentes ou perfurantes que podem causar lesões.