África is the new Black

Crédito: José Manuel Diogo

(Crédito: José Manuel Diogo)

Os países de África ainda recebem pouca atenção dos investidores internacionais, mas isso vai mudar. A desvalorização absurda do Real está obrigando investidores Brasileiros a olhar para outras geografias — fora da Europa e dos Estados Unidos — e no que diz respeito aos negócios do futuro, África is (really) the new Black.

Quem sabe tudo sobre é Natália Dias, a diretora geral do banco africano Standard, que dá tática do business transatlântico como quem celebra os 80 do Pélé.

Como é mesmo que a gente tropicaliza a estratégia? Fácil! É só parar de pensar como se estivesse na Paulista ou na Liberdade. Deixar pra lá os bureaus dos Champs Elysées, os ófis da Fitfh Avenue e os salamaleques da City.

Natália sabe tudo sobre a força da grana que brota na savana.  É preciso tirar o corpo das vossas cadeiras, senhores! Peguem um avião e vão conhecer novos sócios e sócias — lá na baia de Luanda, na Ilha de Moçambique ou no Golfo da Guiné.

Olha os números!  África teve um crescimento de 55% do PIB nos últimos dez anos. Tem uma população praticamente igual à da China e a proporção de habitantes em áreas urbanas deve saltar de 39% em 2010 para 59% em 2050.

Quem quer encontrar bons negócios tem de ouvir a Natália!  Ela sabe como pedir um café em Dakar, achar um banco em Ndjamena e preencher o formulário certo em Nairobi.
Na década passada, a economia dos países da África Subsaariana cresceu a uma taxa média anual de 4,1%, ante 3,7% na média global, chegando a US$ 4,4 bilhões em 2019. O continente foi impulsionado por crescimento em diversos setores, como agricultura, infraestrutura, óleo & gás, mineração e telecomunicações – e, principalmente, pela ascensão da classe média.

Mas é preciso reganhar o fôlego! As empresas brasileiras exportam hoje menos da metade do que vendiam em 2013. A Petrobras levantou âncora de Angola e encerrou uma presença de quatro décadas no continente e na sequência disso muitas das construtoras logo recuaram.

Até os gigantes do agronegócio deixaram de aproveitar as margens de lucro e passaram a usar tradings em vez de vender diretamente a um mercado que vale 30 mil milhões de dólares em cada ano.

De 26 a 28 de outubro eu vou ficar colado na tela do “Focus em África” só para ouvir a Natália me ensinar em que aeroporto do Gabão vamos aterrissar.

A dona McKinsey diz que em África o mercado de consumo, que somou 1,4 trilhão de dólares em 2015, deve atingir 2,5 trilhões em 2030. Não dá para ficar de fora!

Veja também

+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.