Semanal

Afastar Doria é atropelar a razão

Afastar Doria é atropelar a razão

Governador João Doria anuncia que deixa o cargo para disputar a Presidência

Cabe ao PSDB que afasta João Doria da disputa presidencial responder: se é para desfazer, por que é que fez?

No original, essa indagação integra uma das mais sensacionais composições de Vinicius de Moraes. Questionando Deus sobre as mazelas da vida, ele faz a pergunta: “então, pergunto a Deus, escute amigo, se é pra desfazer por que é que fez?”. A letra calça feito luva no tucanato que barra a candidatura de Doria.

Há uma lógica no sentido exato da ciência: se existe consulta prévia no interior da legenda para definição do nome do candidato, então é para o resultado dessa consulta ser respeitado na consulta posterior – e a prévia elegeu João Doria como pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB. Pois, se é para desfazer as prévias, por que elas foram feitas?

A movimentação tucana para afastar Doria atropela também a lógica da Ciência Política: se a segunda consulta pode não corroborar a primeira, porque então se realiza a primeira? O lógico, daí, seria a realização de uma única consulta. Ou seja: por qualquer ângulo que se olhe, não há sinapse sequer entre dois neurônios na cabeça de quem defende a tese de que Doria não é o candidato natural do PSDB, já que ele venceu as prévias. Afastá-lo nos faz lembrar o tango Cambalache : “qué falta de respeto, qué atropello a la razón!”.

Falando em sinapse, está o PSDB a carecer dela. Tudo bem que o partido tenha nascido feito balaio de gatos, tenha advindo de um MDB desmembrado, mas já era hora de estar inteiro. No presente momento, é uma questão de leitura política: o País implora por uma terceira via e o PSDB tem o nome de Doria, vencedor de eleição à Prefeitura de São Paulo, vencedor de eleição ao governo do Estado de São Paulo. Mais: portador do DNA de excelente gestor (até seus adversários políticos reconhecem isso). Mais ainda: o homem que trouxe a vacina ao Brasil e salvou vidas em meio à pandemia da Covid.

Era só o PSDB deixar de infantilidades políticas (nelas estão causas da falência da democracia liberal em diversos países), era só o PSDB deixar de politicagem para ver que era Doria, assim como ainda dá tempo de sê-lo, o candidato. O PSDB tem em suas fileiras o candidato natural da terceira via e não percebeu. Que bobo esse partido!

Se o PSDB, em vez de ficar com conversinha daqui e conversinha dali, tivesse assumido publicamente e em coro, o nome de Doria como candidato consumado, o quadro eleitoral já seria outro. Era só o PSDB ter assumido Doria, com convicção e firmeza e clareza, como o candidato da terceira via. Doria cresce nas campanhas, só o PSDB ainda não observou esse fenômeno político-partidário-eleitoral. Que tola essa legenda!

O PSDB teve por duas vezes FHC como presidente da República, mas pouco aprendeu. E FHC deu seu nobre e experiente apoio a Doria.

O PSDB não enxergou nada, falta-lhe leitura política. Poderia ser a legenda alçada novamente ao Planalto, poderia ser a legenda histórica da terceira via, poderia ser a legenda a derrotar o fascismo bolsonarista no Brasil. Mas prefere perder tempo com politicazinha.

Tirar da corrida presidencial o nome que venceu as prévias faz lembrar o tango Cambalache : “qué falta de respeto, qué atropello a La razón!”.

Que bolo e que tolo esse PSDB é! Afastar Doria é atropelar a razão histórica.