Comportamento

Advogado da família de Breonna Taylor pede que manifestantes transformem raiva em votos

Advogado da família de Breonna Taylor pede que manifestantes transformem raiva em votos

Protestos exogem justiça pela morte de Breonna Taylor - AFP/Arquivos

O advogado da família de Breonna Taylor, uma afro-americana morta pela polícia em Louisville, Kentucky, pediu aos manifestantes antirracistas que expressem sua indignação votando nas eleições presidenciais de 3 de novembro nos Estados Unidos.

Desta cidade que se tornou o novo epicentro do movimento contra a violência policial, Ben Crump, que também representa as famílias de outras vítimas de policiais, como George Floyd e Jacob Blake, defendeu uma “transformação da liderança” nos Estados Unidos.

A 39 dias da eleição presidencial, a cidade de Kentucky foi sacudida por fortes protestos, depois que os policiais que mataram Breonna Taylor em sua casa no dia 13 de março não foram acusados de assassinato.

“Sempre serão ‘eles contra nós'”, disse Tamika Palmer, mãe de Breonna Taylor, em declarações lidas por sua irmã em uma entrevista coletiva transmitida ao vivo em canais de notícias.

Com palavras de ordem contra o presidente Donald Trump, que busca a reeleição, os manifestantes anunciaram para o dia 14 de outubro um dia nacional para “transformar as manifestações em ação política”.

O presidente republicano, que tem defendido a “lei e ordem” nas últimas semanas, denuncia regularmente os “saqueadores” e “anarquistas” do movimento antirracista.

Seu oponente nas urnas, o democrata Joe Biden, disse por seu lado que “compreende a frustração” dos manifestantes e pediu-lhes que mantenham a calma.

Parentes de Breonna Taylor, uma trabalhadora de saúde, convocaram uma nova noite de protestos em Louisville.

“Não se pode parar a revolução”, disse o pai de Jacob Blake – um afro-americano que ficou paralítico após ser baleado pela polícia em Wisconsin – em apoio ao movimento.

Moradores da cidade, local de nascimento da lenda do boxe Muhammad Ali, dizem ter sofrido muito com abusos ou racismo de policiais.

Na quinta-feira e no início desta sexta-feira, os manifestantes desafiaram o toque de recolher de Louisville pela segunda noite consecutiva até o final do fim de semana.

Taylor, 26, foi morto naquela cidade de 600.000 habitantes quando três policiais invadiram sua casa. Apenas um policial foi acusado, não pela morte da jovem, mas porque seus disparos colocaram em risco a vida de seus vizinhos.

Nenhuma acusação foi feita contra seus dois colegas, cujos tiros mataram a jovem.

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar