Mundo

Adiado depoimento de Mueller na investigação sobre ingerência russa na campanha de Trump

Adiado depoimento de Mueller na investigação sobre ingerência russa na campanha de Trump

O procurador especial Robert Mueller invstigou a ingerência russa nas eleições presidenciais de 2016 - AFP/Arquivos

Foi adiado o depoimento agendado para a próxima semana no Congresso dos Estados Unidos do procurador especial Robert Mueller sobre a ingerência russa nas eleições presidenciais de 2016 e a obstrução à justiça do presidente Donald Trump, informou a imprensa americana.

Mueller deveria comparecer no dia 17 de julho perante o Comitê Judicial e de Inteligência da Câmara de Representantes.

Mas de acordo com a imprensa, os membros dos comitês consideraram as sessões demasiado curtas e que estão em curso as negociações para audiências mais longas, possivelmente para 24 de julho.

O relatório Mueller, finalizado em março após mais de dois anos de investigação sobre a ingerência russa nas eleições de 2016 documentou numerosos casos de contato entre a equipe da campanha de Trump e a Rússia, mas concluiu que não havia motivos para aplicar acusações de conspiração criminal contra o presidente.

O documento também revelou que Trump tentou obstruir a investigação dez vezes, mas Mueller se absteve de recomendar ações criminais contra o presidente.

Após a resolução, Trump argumentou que a evidência de sua inocência era clara, enquanto opositores democratas do Congresso pediam mais investigações e inclusive seu impeachment, já que o documento denunciava atos criminosos.

Em 29 de maio, Mueller explicou que não havia eximido Donald Trump de culpa de obstrução à justiça, mas que o Departamento de Justiça lhe impediu de acusar o presidente.

Na sexta-feira, a congressista democrata Jerry Nadler, presidente do Comité Judicial, anunciou que o comitê está considerando começar um processo de “impeachment”, mas que ainda não havia tomado uma decisão final.