Agronegócio

Adama: mercado de defensivos no Brasil deve cair 10,6% em 2017

São Paulo, 28 – O mercado de defensivos no Brasil deve recuar por mais um ano, após dois anos de queda nas vendas, disse nesta terça-feira, 28, o presidente da Adama Brasil, Rodrigo Gutierrez. Em 2017, o faturamento do setor deve recuar 10,6%, para US$ 8,5 bilhões, ante US% 9,5 bilhões no ano passado, quando o mercado recuou 1%.

Dentre as razões apontadas para a estimativa, foi apontado o menor estoque de defensivos com a rede de distribuição de insumos, a contínua entrada de produtos ilegais no País e vendas menores de alguns tipos de defensivos, decorrentes da expansão do uso de variedades de soja tolerantes a lagartas. “Pela primeira vez em muitos anos, o estoque de entrada em 2018 será significativamente menor que o verificado no começo de 2017”, disse Gutierrez em evento realizado em São Paulo, sem detalhar o volume esperado.

Também em 2017, a Adama prevê crescer 2%, com participação de mercado de aproximadamente 5,1%, disse o presidente da companhia. Segundo o executivo, a previsão inicial era de que a receita da empresa aumentasse 10% neste ano, mas o atraso na liberação de registro para dois defensivos da companhia, pelo governo federal, impediu vendas maiores.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Esqueça o 7 a 1: idade do seu cão pode ser muito maior do que você imagina
+ Receitas fáceis com abóbora: saiba como preparar cada tipo
+ Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa de vídeos no TikTok
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Cantora Patricia Marx se assume lésbica aos 46 anos de idade
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior