Acordei de sonhos intranquilos

O que faríamos se acordássemos amanhã e o presidente Jair Bolsonaro tivesse dado um golpe, estabelecido um governo autoritário na cara dura, cercado o STF com tanques de guerra e fechado o Congresso. Provavelmente nada. Em meio à pandemia, veríamos tudo abestalhados, em nosso isolamento compulsório. Olharíamos um para o outro pelo Zoom e diríamos: “Bolsonaro deu um golpe, você viu. E agora?”. Engoliríamos um sapo de proporções descomunais. Despertados de sonhos intranquilos, nos sentiríamos como insetos, reduzidos à nossa insignificância democrática.

Na vida real, enquanto tomássemos o café da manhã, pensaríamos em duas opções. A primeira seria uma reação institucional vigorosa. Remotamente, deputados, senadores e juízes reagiriam à arbitrariedade e colocariam uma camisa de força no ditador. “Eles não vão deixar”, pensaríamos. “Vamos derrubar Bolsonaro no aconchego do lar, pelo WhatsApp ou usando a conta no YouTube”. A segunda seria aceitar a mamadeira de piroca que Bolsonaro nos oferece e assistir resignados as Forças Armadas desfilarem seu poderio bélico pelas ruas de Brasília, junto com Sara Winter e o grupo dos 300 do Brasil, que exibiriam suas pistolas Glock na Esplanada dos Ministérios.

Não haveria passeatas de oposição, nem qualquer tipo de protesto contra a ditadura por causa da quarentena. Alguns jovens de esquerda destemidos bateriam no peito e diriam: “Agora vou para a clandestinidade”. E pelas regras do novo regime seríamos obrigados a sair de casa. Quem mantivesse o isolamento seria preso, acusado de montar um aparelho subversivo. O mesmo valeria para as máscaras. Seriam proibidas sumariamente. Mascarados seriam tratados como uma ameaça ao governo. A clandestinidade provavelmente seria se esconder no sítio do papai e denunciar as arbitrariedades pelo Twitter. Isso se Bolsonaro não derrubasse a rede, inclusive o sinal da Globo, e colocasse a sociedade em silêncio.

Na hora de lavar as mãos para se proteger do coronavírus concluiríamos, mais uma vez, que não haveria nada a fazer. Robotizados, lavaríamos a mão novamente. Seríamos, afinal, dobrados pela força. Com o Exército ao lado de Bolsonaro não iríamos às ruas lutar pela democracia. Seríamos esmagados. Restaria assistir as lives diárias do ditador e dos seus herdeiros. Esse se tornaria o grande entretenimento da população brasileira. “Eu e meus filhos mandamos nisso aqui”, ouviríamos o ditador dizer. “Família acima de todos e quem pode mais chora menos”. No meio do pandemônio, voltaríamos para a cama e coçaríamos nossas patinhas de insetos.

O que fazer agora? No meio do pandemônio, voltaríamos para a cama e coçaríamos nossas patinhas de inseto

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

Veja também

+ Gésio Amadeu, o Chefe Chico de Chiquititas, morre após contrair Covid-19

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.