Acorda, Mourão: Bolsonaro será investigado, e poderá até ser afastado

Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Presidente Jair Bolsonaro e o vice-presidente Hamilton Mourão exibem uma bandeira nacional durante discurso no parlatório do Palácio do Planalto. (Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A Procuradoria Geral da República (PGR) – sim, isso ainda existe! – decidiu trabalhar e solicitou ao STF – Supremo Tribunal Federal, a instauração de um inquérito em desfavor do presidente da República, Jair ‘1.000%’ Bolsonaro, o verdugo do Planalto, a fim de apurar possível crime de prevaricação, relacionado ao processo frustrado de compra da vacina indiana Covaxin.

Nesta semana mesmo, em coluna neste Portal, escrevi sobre a óbvia omissão – ou coisa pior – do devoto da cloroquina no episódio. Ricardo Barros, líder do governo no Congresso, está enrolado até o último fio de cabelo (que não tem) nessa treta. E ambos se encontraram mais de dez vezes desde que a coisa estourou. Pior. O presidente barrou a demissão de um servidor do Ministério da Saúde, suspeito.


Os indícios de prevaricação, no mínimo, contra o amigão do Queiroz são tantos e tamanhos, que até para um servil PGR, como Augusto Aras, cego, surdo e mudo em relação a todos os desmandos deste psicopata homicida que se aboletou no Planalto, era difícil fingir não existir. Mas não pensem que foi por acaso, pois não foi. Ontem, Rosa Weber, do STF, tratou de acender a luz amarela.

Em recado claro e duro à Procuradoria, a ministra disse que a PGR estava ‘desincumbindo-se de seu papel constitucional’ por pleitear o adiamento da decisão sobre inquérito pedido pela CPI da Covid. Ou seja, diante da proteção evidente ao maníaco do tratamento precoce, a elegante togada subiu o tom e, ao que tudo indica, foi ouvida, senão por Aras, por Humberto Jacques de Medeiros, o Vice-PGR que assinou o pedido de inquérito de hoje.

Se vai dar em alguma, é difícil dizer. Mas, independentemente da repercussão final, uma coisa é certa: o castelo de areia foi exposto. Além disso, ainda que remota a chance, Jair Bolsonaro, o marido da receptora de cheques de milicianos e pai do senador das rachadinhas e da mansão de 6 milhões de reais, poderá ser afastado da Presidência até o fim das apurações. ‘Chega, porra! Acabou!’.






Sobre o autor

Ricardo Kertzman é blogueiro, colunista e contestador por natureza. Reza a lenda que, ao nascer, antes mesmo de chorar, reclamou do hospital, brigou com o obstetra e discutiu com a mãe. Seu temperamento impulsivo só não é maior que seu imenso bom coração.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.