Economia

Ações da Aramco disparam no primeiro dia de cotação na Bolsa

Ações da Aramco disparam no primeiro dia de cotação na Bolsa

Telão acompanhando IPO da Aramco - AFP

As ações da petroleira saudita Aramco dispararam 10% nesta quarta-feira, o máximo diário permitido, na maior Oferta Pública Inicial (IPO) da história.

As ações subiram 3,2 riais (US$ 0,85) nos primeiros segundos de cotação e alcançaram 35,2 riais (US$ 9,4), o transforma a Aramco na empresa cotada em Bolsa mais valiosa do mundo.

A entrada na Bolsa da Aramco deve tornar o Tadawul, o índice de referência da Bolsa da Arábia Saudita, em um dos 10 principais índices do mundo.

Nos primeiros segundos de cotação foram disponibilizadas ao mercado 16 milhões de ações.

A Aramco havia estabelecido o preço original de sua ação em 32 riais (US $ 8,53) e afirmou ter levantado US$ 25,6 bilhões, ultrapassando o recorde de US$ 25 bilhões levantados em 2014 pela gigante chinesa do comércio online Alibaba em Wall Street.

“Hoje, o Reino da Arábia Saudita não é mais o único acionista da empresa”, disse o presidente da Aramco, Yasir al-Rumayyan, em uma grande cerimônia organizada esta manhã.

“Mais de cinco milhões de acionistas, incluindo cidadãos e residentes, bem como países (do Golfo) e instituições internacionais de investimento aderiram. É um dia em que todos na Aramco e no reino podem se orgulhar”, comemorou.

A operação faz parte de um amplo plano de reforma para diversificar a economia saudita, em grande parte dependente da exportação de petróleo bruto.

As receitas geradas deverão ser injetadas nos megaprojetos de infraestruturas nos quais o reino se lançou sob a liderança do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, particularmente nos setores de turismo e entretenimento.

– Objetivo “2 trilhões” –

Mas, diante de um cenário de queda nos preços do petróleo e tensões regionais, as esperanças de uma valorização da empresa a US$ 2 trilhões foram revisadas para baixo, para alcançar cerca de 1,7 trilhão de dólares.

Inicialmente, esperava-se que o IPO da Aramco, anunciado pela primeira vez em 2016 antes de ser adiado várias vezes, aportaria até US$ 100 bilhões com a venda de até 5% da empresa pública.

A Aramco finalmente anunciou que colocará à venda 1,5% de seu capital em Riad.

Os planos do governo saudita de levantar fundos adicionais com a entrada em um mercado de ações internacional permanecem sem solução e a introdução em Riad finalmente enfocou fortemente os investidores sauditas e de outros países do Golfo.

As autoridades tentam agora convencer as famílias e instituições ricas do país a comprarem ações em circulação da Aramco para atingir US$ 2 trilhões aumentando o preço do título, de acordo com um artigo do Financial Times.

Dois terços das ações foram reservadas para investidores institucionais e o governo saudita finalmente enfiou as mãos no bolso para garantir o sucesso da operação, que originalmente se destinava a arrecadar fundos privados para reinjeção para diversificação econômica do reino.

As agências do governo saudita responderam por 13,2% da parcela institucional, investindo cerca de US$ 2,3 bilhões, de acordo com a Samba Capital, uma das empresas que impulsionou o IPO.

Os analistas mais céticos acreditam que as receitas da operação mal cobrirão o déficit orçamentário abissal do reino por um ano.

O IPO também vem pressionando os preços do petróleo devido à lentidão da economia global, atingida pela guerra comercial EUA-China e à produção recorde dos exportadores de petróleo bruto fora da OPEP.