Esportes

‘Acho que fui a culpada’, diz Milena sobre filho com Ronaldo Fenômeno não ter virado jogador

Em entrevista ao podcast 'Podpah', a ex-jogadora ainda contou detalhes da vida com o craque brasileiro

‘Acho que fui a culpada’, diz Milena sobre filho com Ronaldo Fenômeno não ter virado jogador

Milene Domingues, a ‘Rainha das embaixadinhas’, afirmou ao podcast ‘Podpah’ que acredita ter sido uma das razões pelas quais Ronaldo, filho da ex-jogadora com Ronaldo Fenômeno, não ter se profissionalizado no futebol assim como os pais. Segundo ela, Ronald, que hoje é DJ, viveu um excesso de futebol durante a infância.

+ Justiça condena Prevent Senior a pagar R$ 2 mi a família que transferiu paciente

+ Em discussão, Bolsonaro mandou Mario Frias e ministro ‘calarem a boca’, diz jornal

+ Freiras são indiciadas por suspeitas de tortura e racismo contra idosas no RS

“Eu ia parar de jogar com 30 anos, já era mãe e não queria mais que ele ficasse viajando o tempo inteiro. Ele já estava chegando na fase de pré-adolescência, tinha de nove para dez anos, e eu queria que ele tivesse uma vida normal, tadinho. Acho que fui eu a culpada que ele não joga futebol. Era só futebol, futebol, futebol”, começou Milene.

“Quando eu voltei a jogar, depois do nascimento dele, tanto na Itália quanto na Espanha o futebol não era tão desenvolvido. Eu já tinha me separado do pai dele e sempre quis cuidar do meu filho, não queria babá. Queria ser jogadora e mãe. Eu brincava que minha mochilinha era Ronald e chuteira. Ele era o mascote dos times. Às vezes, corria com ele nas costas. Ele respirou futebol a vida inteira”, completou.

Milene ainda revelou detalhes sobre a vida com Ronaldo após a Copa do Mundo de 2002, quando Fenômeno foi contratado pelo Real Madrid.

“Em 2002, eu jogava na Itália. O Brasil disputou a Copa e ganhou, o Ronaldo foi o melhor jogador e tal… aí, foi comprado pelo Real Madrid. Eu fiz toda a pré-temporada no Monza [time italiano], e quando fui jogar, meu marido foi contratado. Eu, como boa esposa, fui acompanhar”, disse a ex-jogadora.

“Acabei indo para a Espanha, mas lá não podiam jogar estrangeiras, era uma lei que tinha lá. Aí, a gente conseguiu conversar com os clubes e com as federações, e eles falaram que mudariam a regra, mas só no ano seguinte, porque o campeonato estava em andamento. Eu não queria perder a forma física que já tinha retomado. Depois de ter sido mãe, queria continuar jogando”, afirmou.

A solução encontrada por ela foi viajar com frequência da Itália até a Espanha com o filho.

“O que eu fiz? Morava na Espanha e jogava na Itália. E quem ia comigo? Meu filho. Eram duas horas de voo. Eu fui pro Rayo Vallecano treinar e todo fim de semana viajava para jogar na Itália”, concluiu.


Saiba mais
+ Morre a atriz Noemi Gerbelli, a diretora Olívia da novela 'Carrossel', aos 68 anos
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais