Tecnologia & Meio ambiente

Achados vestígios pré-hispânicos no vulcão mexicano Pico de Orizaba

Achados vestígios pré-hispânicos no vulcão mexicano Pico de Orizaba

Restos de cerâmica encontrados por um grupo de arqueólogos mexicanos no vulcão Pico de Orizaba, em foto divulgada pelo Instituto Nacional de Antropologia do México (INAH) em 12 de março de 2018 - INAH/AFP/Arquivos

Vestígios pré-hispânicos do que pode ter sido um local de adoração e ponto de observação astronômica foram descobertos no vulcão Pico de Orizaba, o cume mais alto do México, informou nesta segunda-feira (12) o Instituto Nacional de Antropologia (INAH).

Os vestígios se encontram na face oeste do vulcão, localizado no leste do México, entre os estados de Veracruz e Puebla, com pouco mais de 5.600 metros de altitude sobre o nível do mar e que também é conhecido como Citlaltépetl, que em nahuatl significa “monte estrela”.

“Foi identificada uma estrutura de tipo quadrangular, que poderia corresponder a um adoratório pré-hispânico com possível uso astronômico e ritual, denominado tetzacualco, como os registrados no Iztaccíhuatl, o Popocatépetl e no Monte Tláloc”, também vulcões, destaca o INAH em um comunicado.

Os vestígios estão a 4.230 metros de altitude e se voltam para um vale localizado entre os estados de Puebla e Tlaxcala. O sítio foi identificado como Poyauhtlan, que em nahuatl significa “Lugar onde as nuvens ficam leves”.

“Localizou-se uma estrutura quadrada; as paredes que a compõem apresentam as seguintes dimensões: o muro sul, 35 metros de comprimento; o poente [oeste] 35,7 m; o norte, 35,6 m, e o leste, 35,2 m, com uma área geral aproximada de 1.188 metros quadrados”, detalhou o comunicado.

Os restos da estrutura mostram, ainda, o que poderia ser um par de quartos e duas saídas de 2,0 e 4,6 metros, além do que se presume ser uma escadaria. No local foram encontrados restos de cerâmica e pontas de flecha de obsidiana.

O sítio não se encontra o trajeto habitual dos caminhantes e montanhistas que visitam o local, atraídos pelo imponente cume nevado do Pico de Orizaba, localizado em uma área natural protegida.

Os toltecas se estabeleceram entre os anos 650 e 700 da nossa era na região onde se encontra o Pico de Orizaba e se presume que tenham usado as montanhas para seus cultos.