Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

No empate do Palmeiras com o Avaí em 2 a 2, pelo Brasileirão, Abel Ferreira falou sobre o retorno de Raphael Veiga ao time principal após se recuperar de uma lesão na coxa direita. O técnico alviverde citou o calendário do futebol brasileiro para justificar o ‘adiamento’ da volta do meia.

GALERIA

> ATUAÇÕES: Reservas não aproveitam, e titulares salvam Palmeiras

TABELA

> Confira a tabela completa e simulador do Brasileirão!

– Quanto mais jogadores tivermos disponíveis, melhor. Vocês sabem a quantidade de jogos que nós temos. Pelo visto deve haver algum estudo que justifique aquilo que venho a falar sobre a recuperação das equipes. A própria FIFA diz isso, mas é como o Sarri (técnico da Lazio-ITA) fala: essas entidades vivem em outro mundo, com outras prioridades que não os descansos das equipes. Não estou dizendo uma semana, mas pelo menos 72 horas. Não é isso que está acontecendo. Portanto, temos que olhar para todas as soluções e o Veiga, em função da minha decisão, achamos melhor não arriscar seu retorno na última partida. Agora, uma coisa é voltar para a competição, outra é recuperar o ritmo rapidamente por conta disso – revelou o treinador.

Neste próximo mês, o Verdão irá encarar uma maratona de oito jogos, incluindo duelos decisivos. Contudo, em cinco deles, o intervalo entre um e outro será de somente dois dias. Mais um motivo para Abel reclamar do calendário.

O português, claro, enxerga um problema gravíssimo nessa situação e desabafa em relação aos ‘pedidos’ que faz todos os dias para que seus jogadores não sofram nenhum desgaste maior nas corridas pelos títulos.

– Eu sou muito religioso, então eu rezo. Com a quantidade de jogos que temos, só me resta rezar. Vocês viram a quantidade de jogadores que se lesionaram no jogo do Flamengo, no jogo do Corinthians, no jogo do Atlético-MG… O que eu faço, porque não sou nenhum mágico, é continuar pedindo para que eu tenha saúde. Além disso, peço para que Deus nos dê saúde para podermos jogar, porque já disse que não sei o que nos espera. Iremos jogar partidas decisivas com somente dois dias de intervalo de uma para outra. Isso só acontece em um lugar no mundo, então talvez todos os outros estejam errados, né? – concluiu.