Economia

Abcam diz haver grupo muito forte de intervencionistas que está fazendo greve

Crédito: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, fala à imprensa, no Palácio do Planalto (Crédito: Valter Campanato/Agência Brasil)

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) estima que ainda falta desmobilizar cerca de 30% dos motoristas que seguem parados nas estradas, universo que representaria cerca de 250 mil caminhões. O dado foi divulgado pelo presidente da entidade, José da Fonseca Lopes, que acredita que o processo de normalização deve estar mais “bem encaminhado” nesta terça-feira, 29. Fonseca denunciou que esse processo de normalização está sendo dificultado por manifestantes considerados “intervencionistas” que têm bloqueado a saída de caminhões e feito ameaças violentas aos motoristas.

O presidente da entidade disse em entrevista coletiva que o grupo mais resistente que segue bloqueando trechos de rodovias “não é mais de caminhoneiros”. “Tem um grupo muito forte de intervencionistas que está fazendo greve. Estão prendendo caminhões e estão tentando derrubar o governo”, disse o presidente da entidade que assinou o segundo acordo com o governo na noite do domingo. O presidente da entidade disse que ameaças violentas são feitas para que caminhoneiros mantenham o protesto. “Não mostram arma, mas estão levantando a camisa”, disse.

Foram registrados relatos desse tipo de ameaça em pontos como a Vila Carioca, na zona sul de São Paulo, local onde há distribuidoras de combustíveis de várias empresas. O mesmo comportamento foi relatado por motoristas ameaçados nos arredores das montadoras em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. “O governo deve fazer alguma coisa”, disse.

Lopes afirmou entender que parte dos caminhoneiros esteja insatisfeita com o governo Michel Temer. “O governo não é bom? Como cidadão, eu posso concordar. Mas como profissional jamais posso misturar as estações”, disse. Para Fonseca, esses grupos têm usado os caminhoneiros como “bode expiatório”. “Quem quer derrubar o governo, que monte um movimento para isso e não use o nome da Abcam. Não queremos incendiar o País, mas é o que muita gente está querendo”, disse o presidente da entidade.

O movimento foi identificado desde o fim da noite de domingo após a assinatura do acordo que reduzirá o preço do combustível em 46 centavos. “Infelizmente, encontramos essa parte que não imaginávamos”, disse, ao citar que foram até identificados manifestantes ligados a partidos políticos. “Estou levantando nomes e vou dar na mão do governo”, citou, sem dar detalhes.