A Uber não vale um centavo?!


Hoje o grande sonho de qualquer empreendedor é ser um unicórnio. Uma dessas empresas que vale, só por causa do nome do bicho, mais de um bilhão de dólares.

O problema é que os unicórnios não são tão fortes como os ursos, tão leais como os cães, tão ágeis como os falcões, nem tão resistentes como os bois – os outros nomes de bicho que os investidores gostam de dar aos negócios. Unicórnio nem é de verdade. É um bicho mitológico que nunca existiu.

Mas então como é que alguém pode achar eles que eram a melhor coisa do mundo?

Quando falta menos de um mês para que a Uber, esse unicórnio que leva a gente de um lugar a outro só com um toque no celular, comece a flutuar na bolsa de Nova Iorque, o mundo financeiro se preocupa. Ao contrário do Facebook e da Amazon (as recordistas de entrada em bolsa até ao momento de empresas tecnológicas) que são monopolistas nos seus negócios, a Uber é só mais uma entre muitas soluções de transporte. Lyft, Ride, Kaptan e até a brasileira 99, disputam esse mercado com a Uber.

A competição é tão terrível, que os custos da operação, quase todos com marketing, são tão grandes que fazem negócio perder dinheiro a cada hora.

Claro que quem fica a ganhar é o usuário, recebendo viagens baratas e muitas ofertas a cada viagem, mas no médio prazo isso vai acabar. Seja pela transparência requerida na origem do dinheiro, pela aplicação de novos impostos ou pela criação de barreiras regulatórias, alguma dessas companhias, ou todas, vão ter de fechar.

A estratégia de crescimento do Vale do Silício, chamada de “blitzscaling”, não está mais funcionando. Aumentar o faturamento na base do prejuízo, apenas para ter mais clientes, só funciona se os clientes forem fiéis; e no caso da Uber, ao contrário do Facebook e da Amazon – eles não são. Vão pegar carona de quem oferecer mais.

Os números não mentem. Na véspera de sua entrada em bolsa, a Uber reportou, entre 2014 e 2018, um prejuízo de 6,8 bilhões de dólares, maior que o da varejista Amazon no início de sua trajetória. Isto apesar do crescimento de mais de 300% no faturamento nos últimos dois anos e 91 milhões de usuários em todo mundo.

Mas será que estes argumentos são suficientes para convencer os investidores que a empresa pode mirar uma valorização entre 100 e 120 bilhões de dólares? E o seu CEO, Dara Khosrowshahi, receber um bônus de 100 milhões? Essa é a questão?

Esta semana a capa da revista The Economist apresentava os tão desejados unicórnios, não como bichos mágicos, mas como uns simpáticos póneis com um “córnio” de papel.

O risco que estas empresas estão trazendo hoje para a economia mundial é tão grande que se ninguém bolar rapidamente o bicho seguinte, não é o unicórnio que vai virar pónei, é a gente que vai virar jerico.


Saiba mais
+ Morre a atriz Noemi Gerbelli, a diretora Olívia da novela 'Carrossel', aos 68 anos
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais

Tópicos

Uber

Sobre o autor

Fundador da Informacion Capital Consulting e Diretor da Câmara de Comércio e Industria Luso Brasileira em Lisboa onde coordena o comité de Trade Finance é o autor do estudo "O Potencial de Expansão das Exportações Brasileiras para Portugal”. Atua atualmente como investidor e consultor, estando envolvido em projetos de intercâmbio internacional nas áreas do comércio, tecnologia e real estate. Vive com um pé em cada lado do Atlântico, entre São Paulo e Lisboa. É autor e colunista na imprensa internacional sobre temas de investimento, importação e exportação e inteligência de mercado. É um entusiasta da cultura e da língua portuguesa.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.