A TV continua decisiva


Estava errado quem apostou, à luz de interpretações equivocadas do que ocorreu em 2018, que seu papel, onde existe, seria substituído pela mídia digital nas eleições deste ano. A partir do início da campanha nesse veículo aumentou a volatilidade das preferências e houve até o momento 28 mudanças de posição apenas no pelotão da frente que trazemos no quadro ao lado.

Mais de 60% dos eleitores lembram de propagandas
a que assistiram na TV

Pesquisas do IPESPE em algumas capitais mostram que mais de 60% dos eleitores lembram de ter assistido a propagandas na TV; 53% reconhecem que elas são importantes para a sua escolha; e o acompanhamento dos candidatos por essa plataforma tem maior correlação com as intenções de voto do que o das redes sociais. A propósito, na atual guerra eleitoral nos EUA, berço do marketing político e da internet, os dois lados somados estão gastando em televisão, segundo a consultoria Kantar, 4.7 bilhões de dólares; e no digital, 1.8 bilhão. Deve significar algo, já que americanos não costumam rasgar dinheiro.

Veja também
+Deolane Bezerra, viúva de MC Kevin, revela que fez cirurgia na vagina
+ Vídeos mostram pessoas preparando saladas com Cheetos no TikTok
+ Mulher e filho de Schumacher falam sobre saúde do ex-piloto
+ Carvão “gourmet” que não suja as mãos vira meme nas rede sociais; ouça
+ Mãe encontra filho de 2 anos morto com bilhete ao lado ao chegar em casa
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.