Edição nº2556 14/12 Ver edições anteriores

A traição de Trump

Que o presidente americano é movido a imprudências, longe do feitio que marca tradicionalmente os chefes de governo dos EUA, isso todo mundo sabia. Que Trump é a enésima essência do descaso no campo dos direitos humanos, das metas ambientais de sustentação do planeta e da miscigenação de povos, ninguém também dúvida. Que ele é irascível, mente como poucos, tripudia além da conta de acordos multilaterais e faz galhofa da irritação que causa em parceiros mundo afora, já virou marca desprezível em várias de suas aparições. O que desta vez surpreendeu a todos e chocou principalmente seus concidadãos foi algo ainda mais grave – ao menos na régua de princípios da mais rica e poderosa nação do planeta. Trump resolveu sabotar o próprio país. Disse não acreditar de forma alguma que a Rússia de Vladimir Putin tenha atuado de maneira fraudulenta e influenciado decisivamente no resultado das eleições que colocou ele mesmo, Trump, no poder. Com um misto de admiração e resignação, alegou confiar na “sinceridade” do colega russo quando o mesmo disse que jamais meteu o bedelho em assuntos de política dos outros; duvidando que ele tenha mesmo ordenado tamanha afronta. Foi o capítulo mais vexatório da já tumultuada administração Trump. Ao dar uma versão, digamos adocicada, para as ações de interferência, de resto evidentes, do interlocutor o presidente americano não apenas enxovalhou a reputação dos compatriotas como também forneceu a senha para que Putin seguisse, sem reprimendas, no intento de invasão a assuntos alheios. Não surpreendente caso se considere que Trump, com tal postura, estava advogando em causa própria. O megabilionário da construção quis afastar as suspeitas que pesavam também contra ele, por que não? Nada há o que se questionar no aspecto da participação russa no episódio. A interferência com uma avalanche de fake news para influenciar no resultado das urnas em 2016 não se tratou de mera especulação. Está documentada. Fato comprovado, indiscutível. Sete órgãos do Executivo e do Legislativo, todos na órbita dos poderes que circundam Trump, confirmaram. E eis que esse dublê de mandatário, que já vinha investindo contra aliados históricos, preferiu dar mais chancela as palavras do antigo rival americano que às próprias instituições sob seu comando. Mesmo sendo Putin um ex-agente da KGB, acostumado a camuflar intenções e práticas inomináveis, cuja projeção se deu através de arapucas contra quem cruzasse o seu caminho. Não deixa de ser um tanto quanto irônico tamanho enquadramento negativo de Trump. Logo ele, o rei da autopromoção, se apequenou. Virou joguete nas mãos de Putin, mero garoto de recados. Ficou em maus lençóis inclusive em casa. A reação foi a pior possível. Opositores e correligionários se revezaram nas críticas. O chefe geral da CIA, a mais conhecida agência de espionagem do mundo, chamou Trump de traidor. Mesmo simpatizantes disseram que ele atuou como reles capacho de Putin. Na coletiva estava subserviente, dominado, extrapolando nos rapapés tal qual um serviçal de plantão. Irreconhecível para quem o assistiu em outras ocasiões. No plano das relações externas, foi como uma carnificina diplomática. Se Putin teve a capacidade de enquadrá-lo publicamente daquela maneira, o que dirá no encontro a portas fechadas? Ninguém ousa imaginar.

Transportada para a narrativa futebolística, aproveitando o embalo das disputas na Copa, é possível dizer que a peleja Putin versus Trump terminou com o vergonhoso placar de 7 a 1. Só quem já passou por isso sabe como é. Melhor esquecer. Era para ser um encontro onde mediriam forças, mas até as pedras sabiam quem sairia em vantagem, favorito absoluto, por estar mais bem preparado, ser mais astuto e menos fanfarrão. Putin engoliu Trump nos quesitos óbvios. Deixou ele falar e se perder. Nada de críticas à anexação da Crimeia, ao envenenamento de britânicos no Reino Unido ou aos ataques cibernéticos. Eram só elogios. Putin, curtido na arte de engabelar, adorou o desempenho. Trump voltou de rabo entre as pernas e, suprema humilhação, teve no dia seguinte de se retratar para impedir, inclusive, um processo de impeachment. Desdisse o que falou. Mas não adiantava mais. O estrago estava feito.


Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.