Em Cartaz

A senha para o êxito do Lolla

O festival Lollapalooza chega à oitava edição, dribla a crise com um programa variado e prevê público recorde

Crédito: LucasSa

EUFORIA Público em Interlagos no Lollapalooza em 2018: festival alcançou a média de 100 mil espectadores por noite (Crédito: LucasSa)

O festival Lollapalooza continua a arrastar multidões, apesar da crise. A oitava edição do evento conta com quatro palcos que abrigam 71 atrações em vários estilos e subgêneros do pop e do rock. Serão três dias de shows em uma área de 600 mil metros quadrados dentro do autódromo de Interlagos em São Paulo. A senha para o êxito do Lolla, como hoje é chamado, está na concepção de seu fundador, o músico Perry Farrell, líder da banda Jane’s Addiction, que produz os shows no Brasil em parceria com a empresa Time For Fun. Em 1991, ele imaginou um festival itinerante nos Estados Unidos que contemplasse todas as vertentes jovens sem descuidar da organização e do conforto. Desde então, o Lolla se expandiu e se tornou economicamente lucrativo. Em 2018, bateu o recorde de público no Brasil, com um público de 300 mil pessoas. Neste ano, as bandas chamarizes são a inglesa Arctic Monkeys e a americana Kings of Leon, mas há de tudo um pouco, do rap de Kendrick Lammar à música eletrônica do DJ holandês Tiësto, de cantores de R&B como o inglês Sam Smith à nova MPB dos Tribalistas e Liniker e os Caramelows. Autódromo de Interlagos (SP) em 5,6 e 7/4.

As 3 grandes atrações

Arctic Monkeys

Divulgação

A banda inglesa lança aqui o sexto álbum em 17 anos de carreira

Kings Of Leon

Divulgação

O quarteto americano de mainstream tem 19 anos de trajetória e 7 álbuns

Kendrick Lamar

Divulgação

O rapper de 31 anos ganhou um Pulitzer por uma canção e venceu 12 prêmios Grammy

Tópicos

Lollapalooza