A semana em que Paulo Guedes ficou com um pé fora do governo

Crédito: Eraldo Peres

(Crédito: Eraldo Peres)


Paulo Guedes estava com um pé fora do governo, mas Bolsonaro encheu sua bola na segunda-feira, 27, e deu-lhe uma trégua. Quando o ministro Braga Netto (Casa Civil) divulgou, na semana passada, o “Plano Pró-Brasil”, segundo o qual o governo aplicaria R$ 30 bilhões para gerar 1 milhão de empregos na infraestrutura, ele havia selado
a saída de Guedes.
Afinal, o governo não tem esse dinheiro, pois já gastou mais de R$ 600 bilhões para socorrer a economia. E, se tiver que gastar ainda mais, será o caos. Teremos estagflação. Ou seja, recessão de 5% e inflação nas nuvens, uma vez que o Tesouro terá que emitir um caminhão de dinheiro para compensar a “gastança”.
Depois que causou um profundo mal-estar em Guedes, o general Braga Netto explicou que o “Pró-Brasil”, na verdade, não era bem um plano. O que ele divulgou, segundo explicou depois, é que era um plano para que o Brasil tivesse um plano, em julho, para planejar o futuro. Entendeu Paulo Guedes?

Veja também

+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.