A polarização nos EUA e no Brasil

Donald Trump acaba de escapar de um processo de impeachment e comemora índices inéditos de popularidade. Com a economia em expansão, está perto de conquistar a reeleição. Para os analistas que ainda estavam desnorteados com a sua chegada à Casa Branca, o caminho aberto para um novo mandato aumenta o mistério do “fenômeno Trump”, o presidente mais improvável e disfuncional da história do país. Mas um livro recém-lançado nos EUA demonstra que a eleição do americano não teve nada de excepcional. Analisando o eleitorado por vários estratos, a obra constata que Trump repetiu o mesmo padrão das últimas eleições. Nem mesmo representa um extremismo estranho à tradição política do país.

A própria polarização apenas retoma um padrão que havia sido atenuado no século XX, e retornou com o movimento dos direitos civis. Porém, em Why We’re Polarized, Ezra Klein, ex-colunista do Washington Post e cofundador do site jornalístico Vox, avalia que os americanos estão cada vez mais presos a identidades políticas. E elas se caracterizam mais pela luta contra os opostos do que pela defesa de ideias.

A fissura na política americana tem a ver com uma mudança partidária que é facilmente vista na atual campanha. Um Partido Republicano capturado pelo mandatário, e uma oposição que patina em busca de uma liderança — pinçada na diversidade. Quem mudou mesmo foi o Partido Republicano: cada vez mais conservador, não permite vozes dissonantes e expeliu todos os que não aderiram a determinadas causas.

Os americanos estão presos em uma armadilha, em uma guerra política — sem fim à vista.

O livro não permite uma comparação direta com o Brasil. Mas traduz uma realidade bem familiar por aqui: as pessoas cada vez mais se agrupam em tribos, que são potencializadas pelas redes sociais e pelo enfraquecimento da imprensa. Aqui também há polarização, com identidades políticas encasteladas energizadas pelos ataques virulentos. Fazendo uma analogia com o trabalho de Klein, deve-se perguntar se Jair Bolsonaro é realmente um fenômeno atípico. Achar que ele emplacará teses fascistas é tão sem sentido como considerar que a sociedade estava fechada com o projeto hegemônico petista. Entender e fortalecer a democracia não é um processo fácil, nem rápido. Mas é básico para mudar a narrativa ligeira de que ocorreu um fenômeno destruidor em uma história que já estava escrita. Não estava, e compreender isso é construir o futuro fora dos extremismos.

Como acontece nos EUA, os brasileiros se agrupam em tribos, potencializadas pelas redes sociais e pelo enfraquecimento da imprensa

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.