A pandemia venceu a ideologia

Identifiquei aqui, antes do início da campanha (edição de 30/9), um aparente paradoxo. Mostrei os primeiros indícios de que a “eleição crítica“ que esperávamos, uma onda que repetiria nos municípios o tsunami da mudança de 2018, não ocorreria. Não obstante a crise econômica e a polarização ideológica estimulada pelo presidente. E, de fato, isso não aconteceu. A Covid-19 deu protagonismo aos prefeitos, objetivou a reflexão, esvaziou as paixões e chamou a política de volta. PSDB, DEM e MDB lideram na maioria das capitais.

Onde os atuais gestores candidatos devem ser reeleitos no primeiro e segundo turnos em percentual no mínimo igual ao de 2016 (75%). Taxa que nas 95 grandes cidades do país, com mais de 200 mil eleitores, pode chegar a 80%. Os nomes da “nova política” com raras exceções se deram mal. Em suma, teremos, basicamente, uma “eleição mantenedora”.

A Covid-19 esvaziou as paixões e chamou a política de volta

O que não exclui novidades, como veremos nesse domingo. Boa eleição a todas e todos!

Referências da pesquisa no blog #EleiçõesComLavareda. Baseado em pesquisas registradas no TSE
R candidatos à reeleição.

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.