A Náusea e os Salafrários

Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil

(Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil)


A Náusea, de Jean-Paul Sartre, é um daqueles romances que muita gente lê na adolescência, entende pela metade e só lembra aos pedaços. Eu, por exemplo. Da leitura que eu fiz há cento e dois anos, haviam sobrado apenas duas coisas com alguma clareza: a própria Náusea e os Salafrários.

O narrador, eu lembrava, definia a Náusea nascia da percepção de que todas as coisas – as pedras, as árvores, ele mesmo, o universo – existem de maneira aleatória, sem justificativa ou finalidade.

Os Salafrários eram os figurões que o narrador observava nas pinturas de um museu. Os quadros glorificavam aqueles “homens de bem”, mas não conseguiam esconder completamente que havia algo de errado com eles. A natureza exata da picaretagem que fazia o narrador chamá-los de Salafrários eu tinha esquecido. Até hoje de manhã, quando fui procurar o livro.

Nunca é por acaso que você acorda pensando numa coisa dessas. Vejam a descrição do Salafrário típico: “Jean Parrotin dedicara toda a vida a conceber seu direito: nada mais. Em lugar da ligeira dor de cabeça que eu sentia despontar, como todas as vezes que visito um museu, ele teria sentido em suas têmporas o direito doloroso de ser bem tratado. Era preciso que não o fizessem pensar muito, que não chamassem sua atenção para realidades
desagradáveis, para os sofrimentos de outrem.”

Eu devia estar sonhando com Flávio Bolsonaro para acordar com A Náusea na cabeça. Depois de vir a público que ele comprou uma mansão de 6 milhões de reais em Brasília, o senador fez um vídeo com explicações sumárias, e acrescentou que “não vai deixar de fazer nada em sua vida” por causa daquilo que a imprensa ou o resto do mundo pensam.


+ Homem que vivia ‘casado’ com a própria filha é preso após polícia investigar agressão contra criança
+ Família de Schumacher coloca mansão à venda por R$ 400 milhões
+ Pão de Queijo: faça uma das receitas mais gostosas do Brasil



O senador conseguiu financiamento, com juros mais que camaradas, em um banco público. O banco é comandado por um executivo que estava na bolsa de apostas para ocupar a presidência do Banco do Brasil. Em outras palavras, quem lhe deu o crédito poderia ser, em breve, funcionário de papai. Mas ele acha que não precisa dar satisfações.

O senador está sendo investigado pelos indícios gritantes de que desviou salários de servidores da Assembléia do Rio de Janeiro para o próprio bolso. Seriam milhões de reais. Mas ele acha que não precisa explicar nada.

Deve ser o tal “direito de ser bem tratado”.

Também Arthur Lira, o presidente da Câmara dos Deputados, parece acreditar piamente ser dono desse direito.

Caso contrário, não tentaria aprovar à força uma PEC que confere aos parlamentares, muito mais que imunidade, verdadeiros privilégios – como o de não ficar sob a guarda da polícia, mas do próprio Congresso, caso seja decretada sua prisão.

Lira é acusado de corrupção em mais de um processo. Um dia, talvez, a polícia vá bater à sua
porta.

O narrador do livro de Sartre descobre a Náusea diante de um castanheiro.

Brasília, cotidianamente, é o castanheiro dos brasileiros. Desperta um sentimento parecido com a náusea. A diferença é que sabemos por que a cidade existe, e porque os políticos estão lá, ou deveriam estar: para servir ao país, e não a si próprios.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.