Tecnologia

A máscara do futuro

Inspirada em filmes de ficção científica, a Xupermask tem ventiladores, sistema de áudio e dura 365 dias

Crédito: Divulgação

A máscara do futuro (Crédito: Divulgação)

Ninguém sabe até quando iremos continuar nesta pandemia global. Mais de um ano se passou e cá estamos. Diante do cenário caótico, há quem pense num futuro onde ainda teremos de usar as indispensáveis máscaras de proteção contra a Covid-19. Inspirado em filmes de ficção científica, o rapper e empresário norte-americano Will.i.am, recentemente lançou a Xupermask, tida como a máscara do futuro.

+ Google homenageia o Dr. Wu Lien-teh, inventor da precursora da máscara N95
+ Tatá Werneck se revolta: ‘Você aí sem máscara é um escroto’
+ Pazuello diz ser a favor de máscara e é confrontado com episódio no shopping

O apetrecho dura 365 dias e impressiona pelos recursos. Possui vedação facial de silicone, filtros Hepa, que protege os usuários das partículas do coronavírus que ficam no ar, ventiladores duplos (com três variações de velocidade), luzes diurnas com LED e amplos recursos de áudio, como microfone com cancelamento de ruído e fones de ouvido. Além disso, se conecta com smartphones via bluetooth e sua bateria dura mais do que sete horas.

UTILIDADE A bateria da máscara aguenta mais de sete horas ligada: um turno de trabalho (Crédito:Divulgação)

Questionado por jornalistas sobre as funcionalidades do aparelho, Will.i.am foi esclarecedor. “Estamos vivendo em tempos de ficção científica e as máscaras que estamos usando são de filmes ultrapassados”, disse. “Pensei em algo que se encaixasse na era em que estamos”. Jose Fernandez, design que criou figurinos de filmes como Batman e Tron, foi co-autor do projeto em parceria com a Honeywell, especializada em tecnologia.

Os autores relataram que os recursos da Xupermask são indispensáveis atualmente porque muitas pessoas “enfrentam problemas ao falar no telefone de máscara” ou participar de reuniões. Segundo Arthur Igreja, especialista em tecnologia, a pandemia abriu diversas oportunidades, sobretudo no segmento high tech. “Acho que é uma tendência, assim como as máscaras feitas por grifes famosas no começo da pandemia”, diz. “Até o final deste ano é bem capaz que apareçam coisas ainda mais tecnológicas.” O produto custa em média US$ 300 e só está disponível nos EUA, Canadá, Reino Unido e Europa – sem estimativa de chegar no Brasil. Independentemente de máscara tecnológica ou não, o importante é se proteger do vírus.