A ignorância como arma de poder

Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

(Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Em determinado momento, às vésperas da II Guerra Mundial, pressionado por alas do Parlamento, por líderes da base e de uma parcela da elite a fazer um acordo de entendimento com Adolf Hitler, o célebre primeiro-ministro britânico sir Winston Leonard Spencer-Churchill, que comandou as forças aliadas, reagiu assim ao que considerou uma afronta ao bom senso: “Quando vamos aprender a lição? Quantos ditadores mais precisam ser adulados, apaziguados, cortejados até aprendermos? Você não pode dialogar com um tigre quando a sua cabeça está na boca dele”. Nos dias atuais, na banda de cá desse Brasil de tropicalismo continental, setores ditos patrióticos e “progressistas” acham natural, e até aceitável, um líder tirânico e imoral discorrer suas barbaridades e atentar contra a ciência cotidianamente e, mesmo assim, ser reverenciado como “o Salvador”. Bajulam seus feitos de araque.

Entoam a cantilena da louvação desmiolada a um funcionário público, provisoriamente lotado como mandatário, que é capaz de atos repugnantes como o de sagrar “herói” criminosos sanguinários, da estatura de um coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, enquanto falseia e nega atentados ambientais e prega a não obrigatoriedade da vacinação em massa, irrompendo contra a lei — mais uma vez. O Bolsonaro “antivax” dos últimos tempos, depois de incitar a desobediência ao isolamento, boicotar medidas protetivas, promover medicamentos ineficazes e confraternizações genocidas, extrapolou os limites do descaso pela saúde pública ao alegar que “ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina”. Sabe que pode e deve. E não precisa pegar na marra. Bastam os limites das penalidades previstas. Sancionou, ele próprio, em fevereiro último, lei que estabelece a vacinação como medida compulsória para deter a pandemia. Provavelmente foi informado e está ciente de que programa de imunização é, antes de tudo, uma questão imperativa do coletivo, não de escolha individual. Está previsto na Constituição: “a saúde é um direito de todos e dever” — atente para a determinação — “do Estado”. Por dever, entenda-se o óbvio: obrigação. O Estatuto da Criança e do Adolescente também estabelece a “obrigatória vacinação nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias”. Está claro? Paira alguma dúvida? Não deveria. Mas Bolsonaro é dado a ignorar arcabouços jurídicos. Mesmo aqueles que contam com o seu endosso pessoal autografado (assinou sem ler?). Assim leva evidências lógicas aos limites da picaretagem, enquanto versa lorotas para o discurso propagandístico. O presidente confunde libertinagem com liberdade. Abdica da responsabilidade de governante pela fanfarronice populista típica de aloprados. E seus seguidores, mais uma vez, inebriados pelas estultices e sandices do “mito” raso, acham razoável ele agir assim. Talvez até concordem com o comentário — provável, não há como descartar a hipótese bestial. Não enxergam mal algum em alguém que encara a ditadura como modelo e alega que o período foi “mal interpretado”, que dirá isso! Bobagem, alegam. E o que vem a seguir? Cidadãos confusos, levados pela insensatez e irresponsabilidade do chefe da Nação, que caem na crença da iniquidade da vacina, minando dessa maneira o único caminho garantido para a imunização segura. Vivemos tempos estranhos. De um retrocesso endêmico das conquistas civilizatórias. Multiplicam-se nas redes sociais e nas hordas dos oportunistas de plantão a mentira fantasiada de verdade, a versão infundada encobrindo as evidências e fatos, a narrativa negacionista se sobrepondo à ciência. Setores sociais imersos na onda do charlatanismo ideológico, levados por interesses escusos, pela cegueira e pelo fanatismo, promovem a inversão de valores. Vacina agora não funciona, não deve ser tomada, depende de qual partido a apoia. É a decadência da cultura e do discernimento de uma sociedade. Obscena a indução da ignorância por líderes falsários. Nas ruas, nessa semana, grupelhos gritavam, como palavras de ordem, o mantra da demência: “Nós temos a cloroquina, abaixo a vacina!”. A imbecilização popular está em alta movida por aqueles que querem subjugar. Sob o pretexto de aproximação dos anseios do povo, disparates são evocados da cadeira do Planalto. Nesse ambiente, a propagação da ignorância tem servido como instrumento de poder. Algo torpe, que leva muitas pessoas — de todos os níveis sociais — a serem conquistadas pela delinquência política. A ponto até de aderirem à patriotice de fancaria. No último Sete de Setembro, por exemplo, havia quem confundisse apoio à Pátria com apoio ao presidente, típico de regimes dos caudilhos populistas. Onde está anotado o elo de uma coisa e outra? A patética patriotada colocava opositores do capitão como inimigos do País. Desqualificavam, com soberba indevida e monótona, os questionamentos aos abusos de um governante que, em plena tragédia da Covid-19, desfilava cercado por crianças sem máscara, pobres inocentes expostos ao risco fatal. A perversão dos adoradores da (para eles) sacrossanta figura de Messias ganhou eco e atuação concreta, de uns tempos para cá, na rede do “QAnon” (O Anônimo), onde adeptos, como admiradores de uma seita, difamam adversários e lançam ameaças de caráter terrorista. Esse Exército de Brancaleone bolsonarista, movido pela perda da razão, escolheu a bandeira da resistência à vacinação. Por deveras absurdo ter de repetir e registrar — algo que deveria estar no senso comum, mas que nos dias atuais parece mister reafirmar obviedades —, fica o alerta: a vacina não apenas é obrigatória como a recusa em tomá-la pode dar cadeia. Não se pode ser leniente com tal preceito. O que faz o mandatário, indo de encontro ao senso comum e aos princípios do conhecimento, é algo típico do obscurantismo medieval, no mesmo tom das teses terraplanistas que vingaram na sua gestão. A apropriação indébita dos conceitos de certo e errado não pode colocar a perder toda a evolução da humanidade. Que os ignorantes do poder caiam em si.

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.