A guerra da empulhação

Crédito: Reprodução

(Crédito: Reprodução)

Sejamos pragmáticos: essa é a guerra que o endiabrado Trump sonhava para desviar a atenção sobre o seu processo de impeachment. A guerra da empulhação. E todo mundo caiu nessa. Até o bajulador mandatário dos trópicos, o Messias Bolsonaro, que não entendeu nada das reais intenções do ídolo — ou entendeu e se deixou levar, típico dele! Um conflito armado contra os inimigos terroristas (o marketing nesse sentido pega bem) poderá, torce e imagina Trump, levar ao alinhamento automático dos conterrâneos em torno de sua liderança, às vésperas da eleição. E aí acabam as resistências e a batelada de denúncias, que ganham o rumo do escanteio, do quase esquecimento. É o que o beligerante chefe do mundo livre precisa no momento. Trump tem razões políticas pessoais, mais do que de qualquer outra natureza, para essa provocação desmedida ao regime dos aiatolás. E leva o mundo junto. Ingleses enviaram navios para a região do Golfo. Chineses, russos e demais europeus também entraram na praça de combate. Alertas, ameaças, críticas partem de lado a lado e no xadrez da diplomacia as peças vão se movendo estrategicamente. O único peão suicida a pular casas na frente, de improviso, sem qualquer noção do que está em jogo em seu prejuízo, é o governo brasileiro. Bolsonaro no papel de estafeta foi logo emprestando apoio e incentivo às ações fora de tom do presidente americano — criticadas inclusive por seu staff militar e por aliados políticos. Sem nenhuma razão concreta para tanto, o capitão do Planalto voltou a prestar vassalagem incondicional ao líder yankee. E foi repreendido. Inclusive pelos parceiros iranianos, que pediram explicações. Diplomatas tiveram de, em seu nome, contemporizar. Remendar o estrago. E nem poderia ser diferente. Alguns dirão que a opção de Bolsonaro de tomar um lado é correta. Apelam à visão desvirtuada e maniqueísta de uma disputa entre o bem e o mal para sustentar o argumento.

Ingenuidade pura. Lamentavelmente não é tão binário e cristalino o quadro. Há diversas nuances e questões na mesa. Para o Brasil, por exemplo: o Irã não pode ser encarado como esse vilão implacável que a tudo destrói e nada acrescenta. No ano passado acumulou-se um saldo de US$ 2 bilhões de superávit na balança com o Irã. Lucro líquido na veia. Mais de 20% das receitas comerciais de exportação nacional tiveram origem na região do Golfo e é preciso ficar atento a essa variável que pode, de uma hora para outra, virar, a depender dos humores e precipitações irascíveis do capitão e de seu chanceler sem freio, Ernesto Araújo. O Itamaraty já errou feio em liderar uma manifestação contra o Irã recentemente, classificando generais de terroristas. Renunciou a histórica imparcialidade — também entendida como esperta ambiguidade — prevista na Constituição, para trabalhar abertamente a favor da causa trumpista. A chancelaria orquestrou de maneira direta e apelou, durante encontro em Bogotá na Conferência Hemisférica contra o Terrorismo, para que os países latinos cerrassem fileiras, ombro a ombro, com os EUA em uma eventual ofensiva contra o regime iraniano. O que isso quer dizer não ficou claro. Teriam os brasileiros de pegar também em armas? Vai saber! O certo é que o propalado viés pacífico, de isenção da Nação, foi para as calendas. Até aqui, em mais de um ano de gestões e aproximações com o time de Trump, Bolsonaro não angariou sequer um único intento ou vantagem efetiva em troca dos afagos que fez ao aliado. Liberou da necessidade de vistos os americanos, sem contrapartidas.

Renunciou a vantagens na OMC numa desastrada manobra, também não ganhando nada de volta. Acatou preços competitivos de produtores de combustíveis dos EUA para vender com facilidades por aqui, em detrimento dos fornecedores locais. Em suma, incorporou uma subserviência despropositada e irresponsável. Seria por mera admiração ou tática ideológica? Em Washington, os seguidores mais fanáticos aplaudiram a audácia do líder Trump, tomaram conta da legenda republicana e abafaram a ira do velho e experiente establishment do partido. Mas as derrapagens do presidente estão a causar estupor em todo o planeta. Anos atrás, antes que Trump alcançasse o poder, França, Grã-Bretanha, Alemanha, China e Rússia, alem dos EUA, em um histórico acordo, amarraram um entendimento nuclear com os persas para frear a corrida armamentista já em franca escalada na região. Trump entrou e mandou tudo às favas. O risco bélico retornou com potencial destruidor, em um nível incomparável desde a Segunda Grande Guerra. Agora é torcer para não acontecer o pior.

Veja também

+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.