Edição nº2548 19/10 Ver edições anteriores

A grande derrota da velha política

O mundo político foi surpreendido com os resultados eleitorais do último dia 7. Acreditavam que a velha política ainda continuaria dando as cartas. Que os conciliábulos definiriam a vontade do eleitor, como se o ato de escolha fosse meramente formal, ou seja, o cidadão iria simplesmente referendar o que os caciques já tinham decidido. Contudo, o desfecho foi outro. O cidadão tomou nas suas mãos o destino do País e determinou uma mudança radical na política nacional. As grandes manifestações de 2015 e 2016 — as maiores da História do Brasil — não ficaram reduzidas apenas à memória. Foram muito mais que isso. Apontaram que é possível construir — apesar de todas as limitações do sistema político — alternativas produzidas pelo sentimento de enfado, de raiva, indignação, com tudo que está aí, mesmo que restritas. O desafio será a partir do início do próximo ano transformar a revolta em novas políticas públicas que consigam, à curto prazo, resultados. De antemão é possível prever que não será nada fácil e a possibilidade de uma desilusão é bastante provável.

É patente que o eleitor referendou as ações moralizadoras da Lava Jato. Boa parte dos políticos envolvidos com os escândalos de corrupção foram derrotados, especialmente nos estados onde há vida política, ou seja, onde a sociedade civil é independente, onde o voto é realmente livre. Nesses locais foi dito de forma clara um sim à Lava Jato e, principalmente, ao juiz Sérgio Moro. O repúdio dos eleitores não foi dirigido somente aos políticos corruptos. Não. Foi também direcionado àqueles que na estrutura jurídica se colocam como obstáculo ao exercício efetivo da justiça, em especial os tribunais superiores de Brasília.

A velha política não se restringe ao Congresso Nacional ou ao Palácio do Planalto. Ela atravessa a praça dos Três Poderes e atinge em cheio o Supremo Tribunal Federal. Os eleitores deixaram isso claro. Sabem muito bem o que não querem. Mas ainda não têm claro — o que é absolutamente compreensível — o que querem e como vão construir um novo Brasil. É um processo, certamente longo. Todavia já teve início. Quem quiser negá-lo vai ficar pelo caminho. Foi feito o que na linguagem popular chama-se rapa, uma limpeza ética fantástica. Poucos acreditavam que seria possível. A maioria dos analistas não detectou porque não está conectada com o sentimento das ruas. O Brasil mudou — e para melhor.

Foi feito o que na linguagem popular chama-se rapa, uma
limpeza ética fantástica. O Brasil mudou — e para melhor


Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.