Comportamento

A floresta arde sem descanso

A Amazônia passa pela maior devastação do século. Governo afirma que problema é “cultural”

Crédito: AP Photo/Leo Correa

CRIMES AMBIENTAIS A falta de fiscalização contribui para o aumento das queimadas (Crédito: AP Photo/Leo Correa)

A floresta amazônica segue sofrendo com o aumento do desmatamento. Dessa vez, o problema foi reconhecido pelo governo federal, considerando como verdadeiros os dados colhidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que monitora a integridade da cobertura vegetal da região por meio de imagens de satélite. No início de julho, o mesmo governo duvidou da metodologia do órgão. A mudança de posicionamento ocorreu diante das queixas de ambientalistas e da comunidade internacional, mas ainda é pouco.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Entre 1º de agosto de 2018 e 31 de julho de 2019, foi registrado um aumento de 29,5% na devastação, em relação ao mesmo período anterior. As causas são as queimadas ilegais, garimpos, extração de madeira e abertura de pastagens. Isso fez com que a floresta perdesse o equivalente a 10 mil quilômetros quadrados, cerca de cinco vezes a área da cidade de São Paulo. É o maior percentual registrado desde 1998, quando o índice foi de 31%. Não se registrava uma área afetada tão grande desde 2008, com quase 11 mil quilômetros quadrados devastados.

Os estados que mais derrubaram árvores foram Pará e Mato Grosso, somando 56%.

Quem conduziu a apresentação dos dados, na segunda-feira 18, foi o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmando que as causas estão nos “motivos já conhecidos” que ocorrem “há anos”.

A declaração foi considerada “relativista”. “Há uma tendência de alta desde 2012, só que a variação média era de 10,2%. Agora foi quase o triplo”, disse Carlos Rittl, do Observatório do Clima. Salles também fez de conta que o desmonte dos órgãos ambientais não possui relação direta com o problema.

“Queremos um ambientalismo de resultados. Precisamos
de alternativa de economia sustentável para aquela região da Amazônia” Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, que não citou os planos existentes (Crédito:Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Questão cultural

Já as declarações do presidente Jair Bolsonaro foram tentativas de tergiversação. Indagado na terça-feira 19, ele disse que quem cuidava da questão toda era o ministro do Meio Ambiente. No dia seguinte, afirmou que o problema era “cultural”. Em termos antropológicos e históricos, Bolsonaro pode até estar certo. Só que ele ocupa o cargo mais importante do País, portanto, a solução passaria por suas mãos. Quando seu ministro diz que é preciso buscar uma “uma alternativa econômica sustentável”, mas não aponta nenhum plano, deixa claro que segue ignorando todas as alternativas estudadas e desenvolvidas por instituições de pesquisa brasileiras. É uma irresponsabilidade. Enquanto isso, é dado como certo que em 2020 o estrago será ainda maior.

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea