A farsa do presidente anti-crime

A farsa do presidente anti-crime

(Arquivo) Jovens se apresentam como traficantes de droga e posam com fuzis adesivados com logo da Rio-2016, no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 2016 - AFP/Arquivos

O governo Jair Bolsonaro se aproxima da metade, e o Brasil continua tão refém do crime organizado ou desorganizado quanto sempre esteve. 

Esta segunda-feira trouxe dois sintomas de que o mal persiste, sem nenhuma perspectiva de melhora. 

O anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostrou que o número de assassinatos no Brasil voltou a crescer no primeiro semestre deste ano, depois de dois anos em queda. Foram 25.712 assassinatos entre janeiro e junho, contra 24.012 no mesmo período de 2019. Foi um aumento de 7%. 

Um segundo levantamento, realizado por um consórcio de centros de pesquisa com base em ligações para o Disque Denúncia, trouxe um dado assombroso. Mais da metade da região metropolitana do Rio de Janeiro – 57,5% do território – encontra-se hoje sob a influência de milícias armadas. São mais de 2 milhões de pessoas expostas aos atos de extorsão e violência realizados por esses grupos parapoliciais. Além disso, outros 15% do território são controlados por traficantes. Um descalabro absoluto. 

Não, bolsonaristas, não estou colocando esses números na conta do seu “mito”. Nem pretendo falar das ligações de Bolsonaro e sua família com as milícias cariocas. Os elogios e comendas a milicianos estão documentados. Melhor não especular sobre a hipótese grotesca de que haja algo além disso.  

O que desejo destacar é que o duro discurso sobre segurança pública do candidato Bolsonaro não vinha acompanhado de qualquer ideia concreta sobre aquilo que a União poderia realizar.

A gestão da segurança é sabidamente complicada no Brasil. Além de as competências serem divididas entre União, estados e municípios, há dezenas de órgãos com alguma atuação nesse campo.

No entanto, além de dar as ferramentas para que a polícia federal e a polícia rodoviária federal possam desempenhar suas tarefas de combate ao crime organizado e de vigilância das rotas de tráfico e contrabando, o governo central também pode ter um papel importantíssimo de coordenação, controle e padronização de atividades. 

Entre as medidas que os estudiosos brasileiros defendem há tempos para a União, com base em pesquisas próprias ou na experiência internacional, estão a criação de indicadores e metas nacionais de redução de crimes (especialmente homicídios) e de eficiência nas investigações; a criação de um currículo nacional de formação de policiais; a gestão compartilhada de informações e sistemas de inteligência. 

São coisas que fariam diferença. Infelizmente, elas requereriam um presidente disposto a negociar com governadores e prefeitos – um presidente capaz de agregar. Algo que não combina com Bolsonaro.  

Assim, em vez de fazer, o presidente desfaz.  Seu principal legado até agora é a desregulamentação da posse e da circulação de armamentos e munições no Brasil. 

Bom para colecionadores e atiradores esportivos, bom para a indústria de armas e seus lobistas, e espetacular para os criminosos. 

Graças aos mecanismos de rastreamento que existiam antes, sabe-se que quase metade das armas empunhadas por bandidos no Brasil eram legais antes de ser capturadas pelo crime. Ao rasgar portarias e regulamentos, Bolsonaro tornou mais difícil a tarefa de seguir o rastro dos equipamentos que empoderam assaltantes, traficantes e milicianos. Ele reduziu em vez de aumentar a capacidade de inteligência das forças de segurança. Uma façanha e tanto. 

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.