Comportamento

A explosão do TikTok

A rede social virou uma febre global e viralizou também no Brasil. Apelo aos jovens e algoritmo inteligente explicam o sucesso, que gera uma disputa entre EUA e China

Crédito: Divulgação

SENSAÇÃO NA WEB Aplicativo foi o mais baixado durante a pandemia, com dois bilhões de downloads: mais de 100 milhões de usuários só nos EUA (Crédito: Divulgação)


No início o TikTok parecia só mais uma rede social, com pequenos filmes engraçados. Aos poucos, provou ser um novo fenômeno. Recentemente, surfando com o isolamento social, a plataforma virou uma febre entre jovens e adultos. Já foram registrados mais de dois bilhões de downloads do aplicativo no mundo inteiro, só perdendo para o programa de mensagens WhatsApp. No Brasil, o aplicativo chinês também explodiu e segue viralizando em todas as faixas etárias. Na quarentena, a rede aumentou aproximadamente 35% entre os adolescentes e jovens, 24% entre adultos de 35 a 55 anos e 14% entre pessoas com mais de 55 anos, conforme levantamento da Kantar Ibope. O crescimento não espanta os especialistas. Afinal, o brasileiro passa bastante tempo conectado e gosta de interações rápidas e divertidas. O que se ampliou ainda mais em tempos de pandemia. E a empresa comemora o tamanho do engajamento obtido junto aos brasileiros, que todos os dias ampliam a quantidade de vídeos com uma criatividade que já começa a definir um perfil regional na rede.

Há várias razões apontadas por especialistas para o sucesso. A facilidade para se fazer vídeos curtos, de 15 a 60 segundos, com música, dublagem, dança e esquetes de humor tem atraído adeptos, inclusive artistas e influenciadores. A possibilidade de se compartilhar esses vídeos em outras redes, como WhatsApp e Facebook, também ajudou a expandir ainda mais o número de usuários. Outro segredo é o algoritmo desenvolvido pelos seus criadores. Ao abrir o TikTok, o usuário é apresentado a uma infinidade de vídeos, podendo facilmente selecionar as imagens a partir de seus interesses. Cada internauta acaba tendo acesso a um cardápio atraente e customizado, que se molda ao seu gosto e reproduz novas tendências. Entre os mais jovens, especialmente, virou uma onda — só nos EUA, são mais de 100 milhões de usuários.

Preço do sucesso

O sucesso paradoxalmente virou um fardo para o aplicativo. Nas últimas semanas, ele tornou-se um ponto de disputa entre os EUA e a China. A crise entre as duas maiores potências mundiais já vem sendo chamada de “Guerra Fria 2.0”, numa discussão que começou no ano passado com o 5G. Donald Trump alega que as tecnologias chinesas podem levar informações sensíveis para a China, colocando em jogo a soberania nacional. Por isso, em agosto, assinou um decreto obrigando a chinesa ByteDance, dona da rede social, a vender suas atividades nos EUA em até 90 dias. Faltando pouco para acabar o prazo dado por Trump, surgem interessados na compra da plataforma, avaliada em até US$ 30 bilhões. No páreo estão pesos pesados como Microsoft, Oracle e Walmart. O governo chinês tenta melar o negócio, impondo novas regras que proíbem exportação de tecnologias que incluam inteligência artificial — caso do TikTok. Em outras palavras, quem comprar a plataforma vai precisar do aval do Partido Comunista Chinês. A dianteira chinesa na área tecnológica assusta os americanos, explica Mario Roberto Nogueira, sócio do NHM Advogados, escritório que atende muitas companhias chinesas no Brasil. “Eles colocaram em xeque a hegemonia dos EUA em tecnologia”, diz. A questão deve se arrastar até a definição das eleições nos EUA. Se Trump permanecer, o embate terá novos desdobramentos. E o Brasil fica no meio, como espectador. “O alinhamento do governo Bolsonaro com os EUA pode complicar as coisas, uma vez que os chineses são nossos grandes parceiros comerciais”, diz Nogueira.

Veja também
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Viih Tube é elogiada por look transparente com fio-dental após ataque de haters
+ Corpo de jovem desaparecido é encontrado em caçamba de lixo
+ Xuxa desiste de apresentar ‘Rupaul’s Drag Race’
+ Liziane Gutierrez é a primeira eliminada da 13ª edição de ‘A Fazenda’
+ Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa de vídeos no TikTok
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Vídeo: família é flagrada colocando cabelo na comida para não pagar a conta
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Instituto Gabriel Medina fecha portas em Maresias
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio