Economia

À espera de Campos Neto, taxas de juros rondam estabilidade

As afirmações lidas como mais “dovish” do presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, seguiram ecoando na abertura dos negócios no mercado de juros nesta sexta-feira, 24, logo depois, a alta do dólar ante o real pressionava as taxas para um viés de alta. As oscilações, no entanto, são modestas e as taxas rondam a estabilidade, à espera de mais sinais de Campos Neto para o próximo Copom, em fevereiro. Ele participa de evento sobre política monetária em São Paulo, às 10h.

Às 9h30 desta sexta, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) estava em 4,375%, de 4,365% no ajuste de quinta-feira, 23. O DI pra janeiro de 2023 exibia 5,57%, mesma taxa do ajuste da véspera, enquanto o vencimento para janeiro de 2025 marcava 6,32%, mesma taxa do ajuste anterior.

Tópicos

taxas de juros