Edição nº2556 14/12 Ver edições anteriores

A eleição do medo

O Brasil está com medo. Há um sentimento de angústia, de que o País deve passar momentos de muita tensão e com resultados imprevistos. Isso independentemente de quem vença a eleição. A frustração é evidente. Imaginava-se que o processo eleitoral iria abrir caminho para a solução da mais grave crise política do Brasil republicano. Ledo engano. O processo eleitoral vai aprofundar a instabilidade. Nada indica, por exemplo, que haverá alguma mudança no Congresso Nacional. Muito pelo contrário.

A tendência é de que a Câmara dos Deputados mantenha os mesmos interesses nada republicanos como sua prioridade, mesmo que haja — como é habitual — uma renovação nominal, apenas nominal. E o Senado? A “renovação” é a volta de Eduardo Suplicy, a presença da novata Dilma Rousseff e o retorno de Jader Barbalho, Renan Calheiros et caterva.

Para a Presidência da República o quadro é ainda mais desanimador. Isso porque a possibilidade de mudança, por ser uma eleição majoritária, é mais viável. Contudo o quadro foi se agravando no decorrer do processo de construção das candidaturas. Por incompetência (ou conivência) da Justiça, Lula fez gato e sapato da sua condenação. Não cumpriu em momento algum a sua pena. Transformou a sua “cela” — uma suíte de 15 metros quadrados — na Polícia Federal em comitê de campanha. Recebe emissários todos os dias. Fala com quem quer. Dá ordens. É obedecido. E nada acontece. Tudo é visto como absolutamente natural.

A direita liberal mais uma vez não conseguiu apresentar um candidato viável. Logo abandonou a raia e optou oportunisticamente pelo apoio à extrema direita que nem programa tem, vive de arroubos vazios mas apresenta bons resultados nas pesquisas de intenção de voto. Sinal não tanto de concordância, mas produto da raiva popular, da profunda irritação com o sistema político.

O centro democrático ficou absolutamente paralisado. Com enorme dificuldade para escolher um candidato adequado aos tempos atuais acabou se definindo por um que nunca foi ativo militante de oposição efetiva ao petismo. Hoje representa tudo o que os eleitores não querem.

E, pior, fez de tudo para sabotar uma candidatura de enfrentamento ao petismo mas dentro dos marcos democráticos, que combinasse combatividade com eficiência administrativa, respeito à coisa pública com ousadia empresarial. Resta recordar Horácio: “Carpe diem, quan minimum credula postero.”

Imaginava-se que o processo eleitoral iria abrir caminho para a solução da mais grave crise política do Brasil republicano. Ledo engano


Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.