Edição nº2535 20/07 Ver edições anteriores

A eleição da maconha

Foi-se o tempo em que um candidato à Presidência da República engasgava ao ser questionado sobre sua real posição quanto à descriminalização da maconha. Nas duas últimas sabatinas promovidas por ISTOÉ, a ideia de adotar uma nova política que permita o consumo e a tributação sobre a droga hoje ilegal foi defendida tanto por Manoela D’Ávila (pré-candidata pelo PCdoB) quanto por Henrique Meirelles (MDB). Ainda que militem em trincheiras bem distintas no que diz respeito à orientação ideológica quanto ao papel do Estado e do livre mercado na sociedade, ambos convergem em um ponto: a liberdade de escolha do cidadão. “Defendo a tributação das drogas, e que esse recurso seja usado nas comunidades que vivem a guerra entre traficantes”, afirmou Manoela à ISTOÉ. Para ela, é preciso debater o assunto “de forma científica e não moral”. Citando exemplos internacionais de legalização do consumo, Meirelles destaca as recentes comprovações dos benefícios à saúde proporcionados pelo consumo de maconha.

Com ao menos um pré-candidato de centro e uma de esquerda compartilhando a mesma ideia de que é preciso mudar a política brasileira de drogas, a eleição de 2018 pode trazer um debate importante para sociedade. É evidente que a estratégia de combate ao tráfico tem falhado no Brasil — como em todos os países onde há repressão ao uso. Encarcerar um jovem consumidor de cannabis, submetendo-o ao inferno do sistema prisional brasileiro, chega a ser desumano, além de ser uma punição desproporcional à gravidade do delito. Descriminalizar o consumo, porém, não é tão simples quanto pode parecer, já que a produção e o comércio precisam ser igualmente regulamentados.

No debate presidencial, uma possível receita advinda da legalização da droga não deve ser desconsiderada

A pioneira experiência de legalização da maconha na Holanda, uma decisão de Estado alinhada à histórica tolerância do país em aspectos sociais e culturais (liberdade religiosa, sexual etc.) se revelou um laboratório para outras nações adotarem leis que beneficiam o usuário e geram receita onde antes só havia custos, fossem de natureza policial (a repressão ao tráfico e ao consumo), jurídica (do julgamento à manutenção do preso) ou no âmbito da saúde (com tratamentos, internações ou políticas de redução de danos). No Colorado, Estados Unidos, a descriminalização se mostrou altamente rentável do ponto de vista do empreendedorismo e fiscal: estudos mostram que apenas em 2016 o estado arrecadou US$ 200 milhões com o comércio de cannabis, que movimentou US$ 1,3 bilhão. O imposto é revertido em projetos de habitação e saúde — áreas em que o Brasil precisa investir muito mais para oferecer aos cidadãos um padrão minimamente aceitável. No debate presidencial, uma possível receita advinda da legalização da maconha não deve ser desconsiderada.

Tópicos

Celso Masson

Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.