A distopia sanitária

É uma hipótese sinistra: uma exceção sanitária, instalada a partir do descontrole sobre a epidemia de coronavírus ou de qualquer outra praga que venha a nos atingir, pode contribuir para a implantação de um regime autoritário. Não parece, mas é um pequeno passo. O trabalho de combate às epidemias se assemelha a uma intervenção militar. A máquina do Estado funciona com todo seu vigor para proteger os cidadãos de um mal invisível. Para garantir o bem-estar da população, os agentes de saúde agem como soldados e colocam ordem na situação. Com trajes futuristas, que os fazem parecer astronautas ou extraterrestres, impõem sua razão absoluta e têm a prerrogativa do controle dos corpos. Vestem roupas brancas, são frios e totalmente objetivos. Atuam movidos por um entendimento técnico, uma determinação médica, uma vontade superior.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

O inimigo é o micróbio, o vírus, algo que ninguém vê e que pode estar ao seu lado ou dentro de você. E as pessoas precisam ser defendidas dessa força oculta. Os doentes devem ser excluídos da sociedade, isolados. Os suspeitos de contágio são seres perigosos. Os indivíduos saudáveis podem ser transmissores. Sob o argumento da proteção da população e da redução de danos, o Estado pode fazer qualquer coisa. Pode prender, obrigar as pessoas a ficar em casa, acabar com o direito de ir e vir, processar quem transgrida qualquer norma de segurança, obrigar os cidadãos a fazer exames e analisar seu sangue. O Estado atua para o bem da maioria, para diminuir o risco de transmissão da doença e só resta à população civil se resignar e assistir a tudo atordoada.

Não é brincadeira. O novo coronavírus ou outras epidemias que vierem a surgir poderão, em algum momento, em uma situação limite, se tornar uma ameaça real à democracia. Uma doença descontrolada pode mudar o mundo completamente.

O combate a uma epidemia representa a imposição de uma racionalidade dominante, que se baseia na proteção da população. Ninguém irá contra essa imposição do Estado porque ela pode fazer a diferença entre a sobrevivência e a morte. Todos querem continuar vivos e ninguém quer ficar doente. Resta à população seguir as ordens e se deixar levar pelas autoridades sanitárias. Afinal, quem vai pensar em democracia em meio a uma peste? É aí que mora o problema. A democracia acaba e ninguém percebe.

O inimigo é o micróbio, algo que ninguém vê e que pode estar ao seu lado ou já dentro de você. E o Estado precisa defender as pessoas dessa força oculta

Veja também

+Cidadania divulga calendário de pagamentos da extensão do auxílio emergencial

+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.